Namorada de Marta com câncer de mama aos 29: tumor pode ser diferente nesta idade

A jogadora de futebol norte-americana Toni Pressley, namorada da craque brasileira Marta, revelou que está com câncer de mama. A atleta usou o Instagram para anunciar que passou por uma cirurgia mamária para retirar um tumor e que, até agora, vinha tentando esconder seu quadro do público.

O que mais chama atenção, porém, é que Toni é bem jovem e, para um diagnóstico de câncer de mama como o dela, 29 anos não é uma idade muito comum. Nesta faixa etária, porém, a doença pode ser até mais agressiva do que normalmente é ao surgir em outro momento da vida - e nós explicamos por que isso acontece.

View this post on Instagram

As you may or may not know by now, a month ago I was diagnosed with breast cancer. • • Receiving this news turned my world upside down. • • Going to training and preparing for games was sometimes a struggle, keeping this secret, while trying to navigate my next steps. • • My teammates, coaches, friends, and family were so important during this time. Even though they had no idea why. • • I feel incredibly fortunate to have been proactive. • • I also feel lucky to have the full support of my team, club, family and friends. • • Thank you to my amazing team of doctors at Orlando Health for helping me every step of the way. • • Now, post surgery, I’m focused on my recovery. Both physically and mentally. • • Thank you to everyone for your well wishes! • • I will be back soon 💜💪🏽

A post shared by Toni Deion Pressley 🌱🧿 (@tonideion) on

Câncer de mama em mulheres jovens

Caracterizado pela proliferação de células tumorais no seio, o câncer de mama tem entre suas causas fatores como o início precoce da menstruação, a menopausa tardia, ausência de filhos, reposição hormonal após a menopausa e obesidade, mas acima de tudo está a predisposição genética (ou seja, a existência de parentes próximos que desenvolveram a doença).

Em geral, esta doença aparece em mulheres a partir dos 50 anos, próximo da menopausa. Ao acometer alguém mais jovem, porém, a doença costuma ter mais força. “É como se, para aparecer mais cedo, essa célula precisasse ser muito mais forte”, afirma o oncologista Hezio Jadir Fernandes Junior, ressaltando que, por isso, o câncer de mama em jovens é mais agressivo e resistente biologicamente.

"Como é comum em mulheres mais velhas, quando a doença aparece em jovens mostra uma alteração genética importante. Então, geralmente são quadros mais graves, mais avançados e com potencial de malignidade maior", explica o especialista.

seios cancer mama 0617 1400x800
Sebastian Kaulitzki/ShutterStock

Tratamento e prevenção

Apesar de o câncer de mama em mulheres jovens ser mais agressivo, as formas de tratá-lo são as mesmas disponíveis para cânceres que surgem em uma idade mais avançada - ou seja, cirurgia para remover o tumor, quimioterapia, radioterapia e tratamentos que têm relação com os hormônios.

Para prevenir o câncer de mama, é importante que a mulher esteja atenta a qualquer alteração nos seios durante o autoexame preventivo, que deve ser realizado no meio do ciclo menstrual, próximo da data de ovulação para que as mamas não estejam inchadas. Depender apenas do autoexame como forma de prevenir a doença, porém, não é mais algo tão indicado.

autoexame cancer mama 1018 1400x800
EniaB / Shutterstock

De acordo com o mastologista Rogério Fenile, ainda que cerca de 10% dos casos sejam identificados a partir do autoexame, é comum que as mulheres só notem alterações quando elas já são muito significativas - algo que indica que o câncer pode estar em um estágio avançado, reduzindo então as chances de o tratamento ser um sucesso.

A principal recomendação, portanto, é a de que a mulher visite um mastologista ou ginecologista regularmente, para que o especialista possa avaliar o risco de câncer baseado nas características da paciente. Segundo ele, mesmo que a mulher não esteja em uma idade de risco, é essencial visitar este médico ao menos uma vez por ano.

mamografia 1018 1400x800
Gorodenkoff/Shutterstock

A partir disso, o médico indicará os exames mais adequados - como mamografias e ultrassonografias de mama - e também sua periodicidade. Aqui, porém, é essencial que a mulher comunique seu médico sobre casos da doença (ou outros tipos de câncer ginecológico) em parentes próximas para que o fator genético - o mais importante - possa ser levado em conta.

Nos poucos casos em que é possível identificar um fator genético extremamente forte e determinante, há também a opção de remover as mamas preventivamente. De acordo com o oncologista Geraldo Felicio, isso é uma medida radical reservada a casos bastante excepcionais.

Tipos de câncer ginecológico