mulher

Por que guardar sangue do cordão umbilical como Thais Fersoza fez com os dois filhos?

familia telo 0817 1400x800
tatafersoza/Instagram

Thaís Fersoza e Michel Teló estão radiantes com seus dois bebês: Melinda, que completou um aninho recentemente, e Teodoro, recém-nascido.

Os papais têm compartilhado na internet todas as fases ao lado dos pequenos, desde os partos até as pequenas descobertas e, consequentemente, acabam levando aos seguidores informações importantes sobre a saúde das crianças.

Em seu Instagram, Thaís revelou que, assim como já havia feito com Melinda, armazenou o sangue do cordão umbilical de Teodoro. O motivo tem uma finalidade importante, mas que muita gente ainda não conhece.

View this post on Instagram

E como diz a música que a gente fez pra ele, "para alegrar e multiplicar o amor.. o Teodoro é um presente do Senhor.." Teodoro veio antes do previsto.. escolheu o dia dele.. e a gente não podia estar mais feliz! As contrações começaram, aumentaram, foi um corre danado e ele chegou! Do jeitinho que eu sempre desejei.. Sempre quis saber como eram as dores, sensações, a correria, o susto.. e esse pequeno me proporcionou essa alegria, essa descoberta! Dia 25/07/2017 as 00:47h com 49cm e 3.875kg de pura gostosura! Nosso gurizinho! Deus é maravilhoso! Que benção! Que milagre!!! Coração transbordando! Deus te abençoe, te proteja, te guarde, dê sabedoria, paz, amor e felicidade, filhote! Estamos e estaremos aqui, pra tudo, sempre! Vc é muuuuito fofinho! E agora a família está completa! Nossos amores.. Melinda e Teodoro juntinhos! ❤️💙👱🏻👩🏻👶🏼👶🏻💙❤️ 📸 @fotografa_thalitacastanha

A post shared by TᕼᗩIᔕ ᖴEᖇᔕOᘔᗩ (@tatafersoza) on

Por que guardar sangue do cordão umbilical?

De acordo com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o sangue do cordão umbilical é rico em células-tronco, assim, ele pode fazer a diferença para o tratamento de doenças relativas ao sangue, como leucemia e vários tipos de anemia.

Entretanto, o número de transplantes com o material do próprio doador ainda é baixo. Entre 2003 e 2010, mais de 45 mil coletas foram armazenadas em bancos privados no Brasil, mas somente três foram utilizados para transplante.

O motivo está no fato de que a maioria dessas doenças só podem ser tratadas com células de doadores, porque dependendo da doença, o sangue do cordão umbilical do paciente já pode ter sua informação genética modificada, sendo assim, ineficaz para os tratamentos.

parto bebe cordao umbilical 0417 1400x800
joruba/istock

Como armazenar células-tronco das crianças

Para os papais que desejam guardar o sangue do cordão umbilical dos filhos o processo é relativamente simples. A empresa contratada para o serviço faz a coleta instantes após o nascimento do bebê, mas o preço é salgado.

Nos bancos particulares, a coleta, o processamento e o armazenamento das células-tronco custam aproximadamente R$ 3.600 + R$ 650 anuais para manter o material no banco.

Também há os bancos públicos, chamados Bancos de Sangue de Cordão Umbilical. Mas a diferença é que nestes locais as pessoas não armazenam as células para uso próprio e, sim, fazem doações para que outros pacientes brasileiros, que precisem de transplante de medula óssea e não tenham doador familiar, possam utilizá-las.

Dicas sobre saúde do bebês