explore

Camiseiro de 90 anos vê loja quase falir, mas corrente do bem salva negócio

pedroso camiseiro 1400x800 0720
Google Maps/Reprodução

Um camiseiro de 90 anos se viu obrigado a pedir um empréstimo em banco para tentar salvar seu negócio de 75 anos na Vila Romana, zona oeste de São Paulo. Após quatro meses de quarentena, Pedroso só conseguiu vender seis camisas.

Foi ao banco pedir R$ 1.800 em uma tentativa de colocar as contas em dia, mas o crédito não foi liberado. Pedroso estava sem saber como seguir quando o dono de um posto de gasolina vizinho, Renato Dias, decidiu compartilhar a história no Instagram. Uma corrente do bem foi iniciada e mais de R$ 50 mil já foram arrecadados!

Pedroso camiseiro

View this post on Instagram

EDITADO Pessoal segue a loja do SR PEDROSO comprei uma camisa social (100)e polo(100) que ele tinha Mas eu vi nos olhos dele que uma camisa feita vale muito mais do que qualquer dinheiro "dado" Nosso vovo garoto fará 90 anos no sábado, e a preocupação dele eh a loja que sempre lhe deu sustento fechar Ter uma camisa feita por ele com suas inicias é quase um troféu! Um exemplo a ser seguido Segue vídeo, ele faz camisas personalizadas com as iniciais do cliente, um zelo absoluto! Merece nossa ajuda Lembrando que ele não tem máquina de cartão, trabalho RAIZ! Que tem que ser valorizado ao extremo RUA CAMILO 631 NAO TEM MAQUININHA SÓ DINHEIRO 38643490 Bora ajudar !!! 👏👏👏👏👏

A post shared by Posto São Matheus - Lapa (@postosaomatheus.lapa) on

Renato é neto de um antigo cliente e amigo de Pedroso. No primeiro vídeo compartilhado, o alfaiate aparece muito emocionado. "Nunca passei por isso. A minha vida é essa", afirma, quase chorando.

O trabalho é feito todo manualmente e é personalizado. É o próprio Pedroso que corta o tecido e ainda borda as iniciais dos clientes na peça. São necessários de 15 a 18 dias para a produção.

O valor de cada camisa personalizada costuma ser em torno de R$ 300, mas, ao ver que as vendas pararam, ele acabou criando alguns modelos mais simples, para comercializar por R$ 100.

Ele afirma que com esse valor não dá para pagar o tecido, mas foi uma tentativa para salvar o negócio. Em três dias, o vídeo teve quase 50 mil visualizações.

Não demorou muito para que o telefone começasse a tocar na camisaria. "4 meses loja parada, agora o telefone não para", afirmou Renato em um segundo vídeo compartilhado.

A ajuda de quem ficou sabendo da história não parou por aí, e, após o site "Razões para acreditar" publicar sobre Pedroso, uma vaquinha virtual foi criada.

Meta de vaquinha virtual foi batida no mesmo dia

A meta inicial da vaquinha lançada nesta quinta-feira (30) era de R$ 34 mil e foi batida no mesmo dia! Até o fechamento desta reportagem, o valor já ultrapassava R$ 54 mil.

De acordo com a página da campanha, Pedroso pretende usar o dinheiro para reformar o estabelecimento, melhorar a segurança da loja e também para se manter durante a pandemia.

Pandemia