mulher

Simone descobre doença "prima" da endometriose que pode causar infertilidade

simone mendes 0521 1400x800
Globo/João Cotta

Mais de dois meses após dar à luz Zaya, a cantora Simone Mendes, da dupla com Simaria, usou as redes sociais para falar sobre uma condição de saúde que descobriu recentemente. Ao investigar um sangramento pós-parto que já durava mais que 50 dias (dez a mais do que o esperado), a sertaneja descobriu ter uma adenomiose, doença “prima” da endometriose que pode causar infertilidade.

Simone descobre adenomiose pós-parto

Nas últimas semanas, Simone Mendes usou o Instagram para comunicar os fãs de que estava começando a investigar um sangramento pós-parto anormal. Devido à descamação do útero após uma gravidez, mulheres que deram à luz chegam a apresentar este sangramento por cerca de 40 dias – mas, conforme o da cantora se estendeu, ela decidiu buscar atendimento médico.

“A princípio, foi passada uma medicação para que meu sangramento parasse. Se não parasse, a gente ia estudar ver o que estaria acontecendo. E assim foi feito: tomei o anticoncepcional que foi passado para regular a questão do sangramento e não resolveu”, narrou a sertaneja em um novo vídeo sobre o tema publicado por ela em seu canal no YouTube.

Na sequência, a cantora passou então a fazer alguns exames para descobrir o que estaria causando o sangramento de mais de 60 dias. Conforme um ultrassom transvaginal não foi suficiente para detectar o problema, Simone foi submetida a uma ressonância magnética da região pélvica e, então, houve o diagnóstico de adenomiose. “Isso estava fazendo com que o sangramento não parasse”, explicou.

Diante do diagnóstico, a equipe médica responsável pela cantora optou pela colocação de um dispositivo intrauterino (DIU) hormonal com o objetivo, segundo Simone, de parar o sangramento. “Se não parar, aí eu vou ter que fazer um procedimento mais sério. Mas, graças a Deus, não é nada de mais, dá para resolver”, esclareceu a sertaneja no vídeo, prometendo atualizações sobre o tema.

Adenomiose: o que é

adenomiose utero 0517 1400x800 1
Timonina/Shutterstock

Quando o ciclo menstrual da mulher não é marcado pela fecundação de um óvulo e a posterior fixação de um embrião na parede do útero, o endométrio – nome que recebe o revestimento interno do órgão – se descama e é descartado na forma da menstruação. A adenomiose, no entanto, ocorre quando estes pedaços de endométrio descamado invadem a camada muscular do útero, chamada de miométrio.

Adenomiose x endometriose

Segundo o ginecologista Élvio Floresti, apesar de estas duas doenças seguirem o mesmo “padrão”, elas são diferentes. Enquanto a adenomiose é caracterizada pelo crescimento do tecido na camada muscular do útero, a endometriose consiste no mesmo tecido crescendo fora do útero, afetando, por vezes, órgãos adjacentes como bexiga e intestino.

Sintomas

bolsa agua quente colica 1120 1400x800
Monkey Business Images/shutterstock

Assintomática em alguns casos, a adenomiose pode apresentar os seguintes sintomas:

  • Cólicas intensas que aumentam com o tempo;
  • Dor pélvica;
  • Dor durante o sexo;
  • Sangramentos fora do período menstrual;
  • Aumento e/ou prolongamento do fluxo menstrual com coágulos;
  • Aumento no tamanho do útero;
  • Dificuldade para engravidar.

Causas

utero ovario mulher 0519 1400x800
Magic mine/Shutterstock

Não se sabe ao certo as causas específicas da adenomiose, mas, na comunidade médica, há algumas hipóteses. As principais, segundo o ginecologista, são:

  • Traumas uterinos que provocam o rompimento do tecido que divide o endométrio e o miométrio;
  • Formação irregular do útero;
  • Irregularidades hormonais.

Além disso, o médico explica também que ter menstruações excessivas com cólicas, menarca precoce, realizar uma cesariana e estar acima dos 40 anos de idade são fatores de risco para o aparecimento da adenomiose.

Complicações

gases barriga colica 0919 1400x800
fizkes/shutterstock

Por provocar dores e prolongar o período menstrual, a adenomiose acaba prejudicando a qualidade de vida da mulher, bem como as relações sexuais. Em alguns casos, devido ao sangramento intenso, a doença também pode levar à anemia por hemorragia uterina e, se a paciente também tiver endometriose pélvica, é possível que ela se torne infértil.

Tratamento

diu hormonal pilula anticoncepcional 1019 1400x800
JPC-PROD/Shutterstock

Apesar de o único tratamento definitivo ser a cirurgia de retirada do útero, há tratamentos que podem amenizar os sintomas. É possível, por exemplo, administrar medicamentos que desestimulam o crescimento do endométrio, colocar um DIU (no caso de mulheres que não tiveram aumento expressivo do útero), operar apenas as lesões causadas pela doença e até a chamada embolização das artérias uterinas, que consiste em “cortar” o fluxo sanguíneo em determinada parte do útero.

Saúde íntima