explore

São Paulo cancela Réveillon na Paulista; prefeito também falou sobre Carnaval e outros eventos

av paulista sao paulo 0720 1400x800
Alexandre Schneider / Correspondente/GettyImages

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, anunciou, nesta sexta-feira (17), que o tradicional Réveillon na Paulista deste ano está cancelado. O prefeito também explicou como ficam outros quatro eventos de grande porte que deveriam acontecer na cidade ainda neste segundo semestre - e também o Carnaval de 2021.

Ano-Novo da Paulista é cancelado por causa do coronavírus

ano novo festa reveillon 1119 1400x800
simona pilolla 2/Shutterstock

Em entrevista coletiva, Covas explicou que o atual cenário de coronavírus torna a realização do Réveillon na Paulista impraticável e explicou com detalhes os motivos que levaram a decisão da prefeitura em cancelar o evento.

“Hoje, anunciamos que não teremos o Réveillon na Paulista nesta virada de ano de 2020 para 2021. Tanto a Prefeitura, quanto o Governo do estado de são Paulo, os técnicos da vigilância sanitária e do governo do estado entendem muito temerário nós organizarmos um evento para um milhão de pessoas na Avenida Paulista para dezembro deste ano. Como é um evento que requer uma organização de, pelo menos, três meses, envolve patrocínio, agenda de artistas, pacotes promocionais de hotéis, turismo, queremos deixar já anunciado que a Prefeitura também não vai organizar Réveillon”, disse Covas.

Virada Cultural, Parada LGBT e Marcha para Jesus

parada lgbt lesbica sapatao gay homossexual 06
Burak Kara / Stringer / Getty Images

Além do tradicional evento de Ano-Novo, que costuma reunir a população para prestigiar shows na Avenida Paulista, a Virada Cultural também deverá sofrer alterações neste ano. Realizada desde 2005 pela Prefeitura, a Virada tem como proposta a realização de diferentes experiências culturais pela cidades.

Neste ano, por conta do coronavírus, a Virada, em vez de presencial, será por meio virtual em setembro deste ano (normalmente, o evento ocorre no primeiro semestre).

Covas também explicou como ficam dois eventos que não são de responsabilidade da Prefeitura, mas que atraem muitas pessoas e acabam impactando a cidade: a Parada LGBTQ+ e a Marcha para Jesus.

“Seguimos conversando com os organizadores de outros dois grandes eventos, que não são organizados pela Prefeitura, que são a Parada LGBT e a Marcha para Jesus. Já eram eventos que deveriam ter acontecido em junho, mas foram adiados para novembro. Assim que tivermos uma posição, iremos divulgar.”

Carnaval 2021

carnaval sao paulo 02 20 1400 800
Shutterstock

Covas também comentou como o Carnaval de 2021 está sendo analisando. "Continuamos a dialogar com as escolas de samba, com outras cidades do Brasil, sobre a possibilidade de adiamento e qual seria nova data de realização do Carnaval. Na nossa cidade, também temos o Carnaval de rua, que requer um prazo menor de organização do que o do sambódromo. Em dois ou três meses dá para organizar o de rua. Para a realização no sambódromo, [é preciso] pelo menos seis meses, entre a preparação e ensaios das escolas. Não é apenas aglomeração no dia do desfile, mas duas ou três mil pessoas em uma quadra para ensaiar."

Coronavírus