mulher

Anitta teve trombose mesmo sem usar pílula: o que mais pode causar e que sinais o corpo dá

anitta evento rexona 0220 1400x800
Thiago Duran/AgNews

Às vésperas de um lançamento musical, Anitta foi internada com trombose e, após ver a informação se espalhar, usou o perfil do Instagram para tranquilizar os fãs. Ao aparecer na rede social, porém, ela foi aconselhada inúmeras vezes por seguidores a “parar de tomar anticoncepcional”, uma das causas de trombose mais conhecidas – mas a cantora não faz uso de pílula ou qualquer outro método contraceptivo hormonal. De fato, este não é o único fator de risco.

Anitta teve trombose e tranquilizou fãs

Em uma série de vídeos, Anitta afirmou aos seguidores que passa bem, mas que havia ficado no hospital em razão do quão grave é ter uma trombose, quadro que pode ser fatal. “Para quem sabe o que é trombose, sabe o perigo dessa doença, então por isso eu precisei ser internada”, afirmou a cantora, esclarecendo que a doença já está sendo devidamente tratada e que ela está fora de perigo. “Estava em uma fase inicial, então vai ficar tudo bem”, completou ela.

Além disso, ela também foi muito questionada sobre o uso de pílulas anticoncepcionais, já que este método contraceptivo está ligado a um aumento no risco de desenvolver a trombose, mas deixou claro que ela não faz uso de pílulas. “Meu método contraceptivo não é hormonal. Não se sabe da onde veio esse ‘babado’, só veio. Eu não fumo, não tomo anticoncepcional, então...”, concluiu a cantora.

Trombose: causas possíveis

A trombose é caracterizada pela obstrução de um ou mais vasos sanguíneos (veias ou artérias) por coágulos. Eles podem tanto causar consequências locais quanto afetar outras partes do corpo, como quando um coágulo viaja por uma veia e provoca o risco de embolia pulmonar, ou quando impede o fluxo de importantes vias do cérebro, coração e outros órgãos, podendo gerar um AVC ou infarto agudo do miocárdio. Desta forma, a trombose pode ser fatal.

Apesar de o uso do anticoncepcional ser a causa mais conhecida de trombose, ela não é a única, e há uma série de outros hábitos ou fatores biológicos que podem facilitar o surgimento deste mal. Conheça possíveis causas de trombose:

Doenças pré-existentes

Segundo Aline Lamaita, cirurgiã vascular e angiologista, as tromboses arteriais costumam ser causadas por problemas graves de circulação, especialmente os que envolvem as pernas, como aterosclerose (estreitamento e rigidez do vaso devido ao acúmulo de colesterol) avançada ou hipertensão. Além disso, ela também cita diabetes, doença inflamatória intestinal e doença pulmonar obstrutiva crônica como possíveis fatores de risco.

trombose pernas vermelhidao 1016 1400x800
Hriana/Shutterstock

Falta de movimentação – especialmente das pernas

Conforme explica a médica, as panturrilhas são o “coração”, das pernas, e quando esta musculatura fica parada por muito tempo, pode haver retenção de líquido na região, bem como um consequente inchaço. Isso, por sua vez, aumenta os riscos de ter uma trombose nos vasos que percorrem a região – algo que, segundo Aline, é realmente mais comum de acontecer nos membros inferiores.

Como as pernas estão mais distantes do coração, que é de onde o sangue parte e para onde ele precisa voltar após percorrer os membros, a circulação nesta área já é mais “difícil”, e hábitos como ficar muito tempo sentado para trabalhar, o sedentarismo e até uma internação longa onde não há possibilidade de caminhar são formas de dificultar ainda mais a passagem normal do sangue pelos vasos.

Outro perigo relacionado à falta de movimentação é o das viagens de avião: para quem tem mais propensão a desenvolver trombose (como grávidas, pessoas que tomam anticoncepcional, fumantes e que têm histórico de doenças vasculares na família), um voo longo é bastante arriscado. A médica aconselha que estes grupos consultem um médico vascular antes de viajar.

aviao viagem pernas trombose 0419 1400x800
Matej Kastelic/shutterstock

Histórico de trombofilia na família

De acordo com informações do Hospital Israelita Albert Einstein, há algumas situações genéticas que favorecem o aparecimento da trombose, como trombofilias hereditárias. Por isso, quem tem histórico de trombose e outros problemas de circulação na família deve ter ainda mais cuidado e informar os médicos que frequenta.

Gravidez e pós-parto

Durante estes dois períodos, há uma mudança na produção de hormônios pelo corpo, e isso pode intensificar a coagulação sanguínea, favorecendo o surgimento da trombose.

barriga gravidez gestacao 0519 1400x800
zffoto/Shutterstock

Tabagismo

Por ser vasodilatador, ou seja, fazer com que os vasos sanguíneos se expandam, a velocidade da circulação do sangue em pessoas que fumam acaba diminuindo, e este é outro fator que favorece a coagulação.

Câncer

De acordo com a Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, esta doença e seu tratamento também aumentam a coagulação sanguínea, favorecendo o surgimento de doenças como a trombose.

quimioterapia contra cancer 0517 1400x800
napocska/Shutterstock

Sintomas de trombose

Para diminuir as chances de a trombose ser fatal, é preciso buscar atendimento médico ao notar sintomas, que incluem cinco principais:

  1. dor
  2. calor
  3. sensibilidade
  4. inchaço e
  5. vermelhidão no local (geralmente nas pernas)

Caso a trombose se desenvolva para uma embolia pulmonar, os sintomas incluem falta de ar inesperada, respiração acelerada, dor no peito, aumento da frequência cardíaca, tosse e catarro com sangue.

Trombose