Cera do ouvido pode ajudar no diagnóstico do câncer, dizem cientistas brasileiros

limpar ouvido cotonete 0819 1400x800
diy13/shutterstock

Formada por uma combinação de pele morta, pelos e secreções glandulares do canal auditivo, a cera do ouvido começa a ficar aparente quando, em excesso, é expelida através de movimentos que fazemos com a mandíbula.

Apesar de ser considerada sujeira por muitos, a cera não deve ser removida, segundo a Academia Americana de Otorrinolaringologia. Isso porque ela serve de proteção para os ouvidos. E mais: a cera do ouvido poderia, até mesmo, ajudar no diagnóstico do câncer, de acordo com uma pesquisa brasileira.

Cera do ouvido pode ajudar a descobrir câncer

ouvido orelha cotonete 0519 1400x800
BLACKDAY/Shutterstock

Uma pesquisa feita pela Universidade Federal de Goiás (UFG) identificou 27 substâncias que, quando presentes na cera do ouvido, indicam a existência de câncer em alguma parte do corpo. A descoberta foi publicada na revista especializada Scientific Reports.

Com amostras do tamanho de um grão de arroz de 102 voluntários, os cientistas brasileiros foram capazes de identificar quem estava doente. Segundo os pesquisadores, a “sujeirinha amarela” do ouvido possui componentes que podem ter sido produzidos por células saudáveis e por células cancerosas, o que ajudaria no diagnóstico de câncer.

Em apenas cinco horas foi possível descobrir se o paciente tinha ou não câncer, de acordo com o estudo. O exame seria ainda capaz de detectar a doença no estágio inicial, o que aumentaria as chances de cura.

ouvido orelha mulher 0519 1400x800
Voyagerix/Shutterstock

Bastante simples e não invasiva, a análise por meio da cera de ouvido poderia se tornar tão comum e confiável quanto um exame de sangue na detecção de um problema de saúde, explicam os pesquisadores.

Câncer: diagnóstico e tratamentos