Contraceptivo: médica revela índice de falha de camisinha, pílula, DIU, anel e mais 11 tipos

metodos contraceptivos mulher 0619 1400x800
ADragan/Shutterstock

Pílula anticoncepcional é 100% segura? O que é mais eficiente: DIU ou laqueadura? Entre tantas opções de métodos contraceptivos, é normal que as mulheres tenham dúvidas sobre qual é o mais eficiente. Na dúvida, a melhor alternativa é buscar um ginecologista, que poderá indicar o anticoncepcional mais indicado para cada caso.

Mesmo com estes cuidados para evitar uma gravidez indesejada, é importante ressaltar que todos os contraceptivos têm algum risco de falhar, como observou a ginecologista Luciana Deister em seu Instagram. Entre eles o mais popular de todos: a camisinha.

Existe contraceptivo 100% eficaz?

espermatozoide ovulo contracepcao 0619 1400x800
Lightspring/Shutterstock

Apesar disso, a médica lembra que o preservativo ainda é a melhor forma de proteção contra doenças sexualmente transmissíveis - portanto, é indispensável em qualquer relação sexual.

A ginecologista citou um estudo sobre 15 métodos contraceptivos feito nos Estados Unidos para listar seus índices de falhas em 100 mulheres ao longo de um ano. Confira o ranking a seguir:

  • DIU hormonal com levonorgestrel (Mirena): 0,2%
  • Laqueadura tubária: 0,5%
  • Implante hormonal subdérmico de etonogestrel: 0,05%
  • DIU de cobre: 0,6%
  • Contraceptivos hormonais injetáveis; 6%
  • Injetável trimestral:6%
  • Adesivos transdérmicos: 9%
  • Anéis vaginais: 9%
  • Contraceptivos orais combinados: 9%
  • Pílulas apenas de progestogênios: 9%
  • Diafragma: 12%
  • Camisinha masculina: 18%
  • Camisinha feminina: 21% (ou 21 em 100)
  • Coito interrompido: 22%
  • Comportamentais (tabelinha, muco cervical, temperatura do corpo, sintotérmico ou mistura dos 3): 25%
View this post on Instagram

Recebo muitas mensagens com dúvidas sobre os riscos de falhas nos mais diversos métodos contraceptivos. E então hoje vou compartilhar com vocês uma relação dos principais métodos e suas respectivas taxas de falha anuais (valores a cada 100 usuárias): ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ 🚺 Adesivos transdérmicos: 9% (ou 9 em 100) 🚺 Anéis vaginais: 9% (ou 9 em 100) 🚺 Camisinha feminina: 21% (ou 21 em 100) 🚹 Camisinha masculina: 18% 🚹Coito interrompido: 22% 🚺 Comportamentais (tabelinha, muco cervical, temperatura do corpo, sintotérmico ou mistura dos 3): 25% 🚺 Contraceptivos hormonais injetáveis; 6% 🚺 Contraceptivos orais combinados: 9% 🚺 Diafragma: 12% 🚺 DIU de cobre: 0,6% 🚺 DIU hormonal com levonorgestrel (Mirena): 0,2% 🚺 Implante hormonal subdérmico de etonogestrel: 0,05% 🚺 Injetável trimestral:6% 🚺 Laqueadura tubária: 0,5% 🚺 Pílulas apenas de progestogênios: 9% ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Lembrando que, mesmo as camisinhas não possuindo 0% de taxa de falhas, elas ainda são nossa melhor proteção contra doenças sexualmente transmissíveis. Portanto, use preservativos em toda relação sexual! 😉💕💐 ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ 📖 Referência: Trussel J. Contraceptive failure in the United States. Contraception, 2011. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ #ginecologiaintegrativa #ginecologia #contraceptivo #diudecobre #diu #mirena #diumirena #diudecobreeprata #camisinha #contraceptivos #hormonios #planejamentofamiliar #saudedamulher

A post shared by Luciana Deister (@dra.lucianadeister) on

Métodos contraceptivos