mulher

Caroço na vulva pode ser bartholinite: o que é e como tratar inflamação que causa dor

mulher tirando calcinha 0518 1400x800
BigmanKn/Shutterstock

O aparecimento de caroços na vulva é um quadro que pode acontecer em algumas mulheres, porém sua origem não costuma ser muito conhecida. Os caroços costumam acontecer por causa de uma inflamação localizada nas chamadas glândulas de Bartolhin, nos pequenos lábios, e pode ser fruto de um cisto ou de um abscesso - este último também conhecido como bartholinite.

É de suma importância conhecer o próprio corpo para conseguir reconhecer qualquer comportamento incomum, por isso vamos explicar um pouco mais sobre essas condições.

O que são as glândulas de Bartholin?

As glândulas de Bartholin são responsáveis por produzir a lubrificação na vulva e na parte externa da vagina, principalmente durante a relação sexual. Elas são dois pares de glândulas que ficam localizadas nos pequenos lábios, próximas à entrada da vagina, e são imperceptíveis ao olhar humano.

anatomia da vulva 1 0
Extezy/shutterstock

Cisto de Bartholin

Este problema acontece quando a saída de um ou de ambos orifícios da glândula de Bartholin fica obstruída. Isso faz com que o muco produzido para a lubrificação fique preso dentro da própria glândula, o que gera a formação de um cisto.

O cisto de Bartholin costuma passar despercebido quando é pequeno e indolor, na maioria dos casos. Porém, quando o cisto cresce mais do que 1 centímetro - o que pode levar até mesmo anos - a mulher consegue notar a formação de um carocinho em seus pequenos lábios. Apenas a partir de um diâmetro maior do que 3 centímetros que o caroço passa a se tornar desconfortável ao toque e em relações sexuais.

Tratamento para o cisto de Bartholin

Normalmente os cistos de Bartholin desaparecem espontaneamente após alguns dias de sua aparição. É importante, no entanto, fazer banhos de água morna e manter a região genital limpa para evitar contaminação e processos infecciosos. Caso o cisto venha a crescer muito e comece a causar desconforto, a mulher pode consultar um médico para drená-lo.

Bartholinite

Já a Bartholinite – ou abscesso da glândula de Bartholin – é uma complicação séria que acontece quando o cisto de Bartholin é contaminado por bactérias, o que o torna ainda maior e cheio de pus. A bactéria mais comum deste quadro infeccioso é a mesma que causa infecção urinária, chamada de Escherichia coli. No entanto, bactérias da nossa pele também podem causar essa doença, assim como as bactérias que provocam a gonorreia e clamídia.

Sintomas da bartholinite

Diferente do cisto, a bartholinite causa sintomas intensos e desconfortáveis para a mulher. As principais características do quadro são dor, inchaço, vermelhidão e calor no local. Febres não são comuns, mas 20% das mulheres podem ter também como sintoma. Caso a mulher apresente corrimento vaginal amarelado ou esverdeado, o ginecologista deve investigar algum tipo de DST como causa da bartholinite.

Tratamento para bartholinite

O tratamento da bartholinite envolve diferentes frentes de ação. Para aliviar os sintomas é indicado que a mulher faça banhos de assento com água morna de 3 a 4 vezes por dia. Além disso, é necessária uma drenagem cirúrgica para remover todo o pus do local. Este costuma ser um procedimento simples, feito com anestesia local. Após a sua realização é inserido um pequeno catéter de borracha dentro do cisto que servirá durante 6 semanas para evitar a reincidência de pus.

No caso de uma mulher apresentar problemas com abscesso mesmo após um tratamento bem sucedido, pode ser utilizada uma técnica cirúrgica alternativa chamada de marsupialização, em que ao invés de apenas drenar, o médico deixa uma pequena incisão na lesão, deixando um espaço em aberto para que os fluídos produzidos pelas glândulas de Bartholin não fiquem mais presos.

Se ainda assim esta técnica não impedir a recorrência da bartholinite, a solução é a retirada das glândulas de Bartholin. Contudo, isto é algo que raramente acontece.

Saúde Íntima