mulher

Quando uma gripe pode ser forte a ponto de necessitar internação, como ocorreu com Ronaldo?

View this post on Instagram

Already in Moscow for the #WorldCup

A post shared by Ronaldo (@ronaldo) on

Ronaldo Nazário passou um pequeno susto em sua viagem de férias para Ibiza. O "Fenômeno" precisou ser internado em um hospital local após ser diagnosticado com um quadro de gripe grave.

O relato é do próprio ex-jogador de futebol brasileiro, que compartilhou a informação em sua conta no Twitter ao agradecer o carinho dos fãs e avisando que receberá alta.

Mas quando uma gripe, doença que costumamos considerar simples, pode se agravar a ponto de ser necessária a hospitalização?

Quando a gripe pede internação

sarcoma no pulmao 0617 1400x800
yodiyim/iStock

A gripe é uma doença respiratória causada por um vírus. “A gripe propriamente dita existe em dos tipos: a Influenza A e a B. São dois grupos virais com diferentes subgrupos.O H1N1 é o vírus Influenza.”

Apesar de suas diferenças genéticas, os vírus Influenza se manifestam no corpo de maneira similar. "Qualquer um dos tipos de gripe causam os mesmos sintomas, que podem ser leves ou graves”, explica a infectologista Andreia Maruzo Perejão.

De acordo com o infectologista Jean Gorinchteyn, médico do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, a internação de pacientes com gripe é necessária quando verifica-se a possibilidade de complicações pulmonares.

“O vírus da gripe cai no sangue e passeia por todo sangue, causa dores musculares, além dos quadros respiratórios. Ao realizar esse passeio, ele pode provocar a pneumonite, que é uma inflamação pulmonar”, explica Gorinchteyn.

Ainda de acordo com o médico, a pneumonite é uma complicação típica de grupos populacionais cujos organismos estão mais vulneráveis a complicações do tipo. “É, principalmente, um quadro de quem já tem problema no pulmão, no coração, idosos e grávidas.”

Sintomas da gripe e da pneumonite

homem doente gripe 0118 1400x800
fakezzz/shutterstock

Os sintomas mais comuns da gripe - e da pneumonite provocada pelo vírus Influenza - são a tosse seca, febre (geralmente acima dos 39°C), catarro e dores musculares. Se a doença se agrava, esses sintomas também se tornam mais fortes.

Em casos mais graves, há o desenvolvimento da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) – um dos sinais da ocorrência de pneumonite. “A SRAG é a insuficiência respiratória. Por se tratar dos pulmões, se não for atendida de imediato pode levar ao óbito”, afirma Gorinchteyn.

Pneumonite: complicações

pulmao adoecido 0318 1400x800
Nerthuz/Shutterstock

De acordo com o médico, a pneumonite deve ser observada com atenção por causa do riscos que ela apresenta ao organismo do paciente.

“A pneumonite diminui oxigenação no sangue, o que pode levar à morte. Em casos graves, pacientes com a doença precisam ser observados em Unidades de Tratamento Intensivo (UTI)”, diz o infectologista.

A vulnerabilidade do organismo provocada pela pneumonite também merece atenção. “Lembrando que uma das complicações da pneumonite viral é a pneumonia bacteriana. As bactérias aproveitam que o sistema imunológico está cuidando do vírus e se alojam no local”, adiciona o médico do Emilio Ribas.

Prevenção e tratamento da gripe

O tratamento indicado para gripes e pneumonites envolve a administração de medicamentos. “Usa-se o antiviral, que age evitando a multiplicação do vírus no organismo”, diz Gorinchteyn.

Além disso, medidas de suporte auxiliam na recuperação de pacientes com gripe, especialmente os com pneumonite, como repouso, antitérmicos, hidratação e dispositivos para ajudar na respiração, como suporte de oxigênio e aparelhos de ventilação mecânica.

remedio antibiotico 1400x800
nokwalai/Shutterstock

A vacina contra a gripe ainda é uma recomendação muito indicada para a prevenção da gripe – e consequentemente as complicações geradas por essa doença. “Indivíduos dentro das populações recomendadas podem se vacinar”, enfatiza Gorinchteyn.

Atualmente, o Ministério da Saúde oferece doses gratuitas da vacina contra a gripe a crianças de seis meses a cinco anos, idosos com 60 anos ou mais, profissionais da saúde, professores, indígenas, gestantes e puérperas (mulheres até 45 dias após o parto), população carcerária, funcionários do sistema prisional e pessoas portadoras de doenças crônicas.

Doenças respiratórias