Doença comum que Whindersson Nunes revelou ter pode mesmo evoluir para câncer?

Depois que Whindersson Nunes apareceu bem mais magro em fotos, o youtuber decidiu revelar que o que o motivou a perder peso foi, na realidade, uma condição de saúde que muitos brasileiros têm, mas poucos sabem.

"Fiz um exame e a doutora disse que eu tinha gordura no fígado que podia evoluir pra um câncer", escreveu o humorista em seu Instagram ao falar sobre o assunto.

A condição descrita por ele se trata de uma esteatose hepática não alcoólica, acúmulo de gordura nas células do fígado. Entre as dificuldades da doença, está a falta de sintomas clínicos e o diagnóstico tardio, que acaba levando muitos pacientes a desenvolver cirrose não alcoólica e até mesmo o câncer de fígado.

A seguir, saiba mais sobre a doença, e quando e como ela pode evoluir para um quadro mais grave.

Esteatose hepática não alcoólica

O que é?

figado saudavel doente 0916 1400x500
eranicle/shutterstock

A doença hepática gordurosa é uma condição cada dia mais comum e que muitas pessoas não imaginam que têm, pela falta de sintomas.

Segundo explica a hepatologista e gastroenterologista Mônica Viana, especialista em fígado, hepatites, estômago e intestino, a prevalência da doença é maior em pessoas com mais de 40 anos e que estão acima do peso e obesas.

Quanto maior a circunferência abdominal, maior será a chance de estocar gordura no fígado, conforme explica a especialista.

"Para mulheres, uma circunferência abdominal acima de 88 centímetros e, para o homem, acima de 92 centímetros já é um fator de risco. E por não ser um valor tão alto, muitas pessoas nem imaginam que têm a doença", comenta a especialista.

Pode evoluir para câncer

A estimativa é de que 30% da população apresente fígado gorduroso e que cerca da metade desse número desenvolva as formas mais graves da doença, caso do câncer de fígado.

"A gordura no fígado é uma das causas mais comuns de cirrose no mundo, de câncer de figado e de transplante hepático", aponta a especialista.

Outra preocupação é que o tratamento para portadores de câncer de fígado causado por esteatose costuma ser muito agressivo, podendo envolver transplante, medicamentos e quimioterapia, e nem sempre tem uma boa resposta do organismo.

Sintomas

cansaco fadiga energia 1017 1400x800
Stmool/shutterstock

A gordura no fígado é uma condição que, na grande parte das pessoas, não apresenta sintomas ou incômodos. E esse é justamente um dos motivos pelos quais ela passa tão despercebida.

Em algumas poucas pessoas, segundo conta a hepatologista, as queixas podem estar relacionadas ao cansaço, incômodo na região do fígado ao ingerir alimentos gordurosos, perda de apetite e fígado aumentado.

Geralmente, ela é descoberta por meio de exames clínicos de rotina, como foi o caso de Whindersson Nunes.

Quando a doença está mais avançada, no entanto, os sintomas passam a ser graves e a possibilidade de cirrose, câncer e necessidade de transplante já é alta.

Nesse casos, os sintomas mais frequentes são acúmulo anormal de líquido dentro do abdômen, confusão mental e hemorragias.

Causas

alimentacao comida gordurosa 0816 1400x800
Syda Productions/Shutterstock

A especialista conta que o mecanismo exato que faz o fígado estocar gordura ainda é incerto. O que se sabe até agora, no entanto, são os fatores de risco para tal condição. Entre os principais estão:

  • Sobrepeso
  • Diabetes
  • Má nutrição
  • Efeito sanfona (perda e ganho de peso com frequência)
  • Sedentarismo
  • Obesidade abdominal

Em um número menor de casos, pessoas magras, mas que consomem excessivamente alimentos gordurosos, mesmo sem alterações de colesterol e glicemia, podem ter esteatose.

Abusar de alguns tipos de produtos, como suplementos e remédios, também pode sobrecarregar o órgão e, no longo prazo, impactar no acúmulo de gordura.

Tratamento

Não existe um tratamento específico para bloquear o estoque de gordura no órgão ou extrair o que já existe.

Por isso, os especialistas indicam uma mudança de hábitos de vida, como alimentação saudável e com consumo equilibrado de carboidratos complexos (farinhas integrais, raízes como batata-doce, etc), prática regular de exercícios físicos e controle constante dos exames.

"Embora a rotina da pessoa conte muito para a melhora ou não da gordura no fígado, há remédios que ajudam o paciente a controlar o peso que, de forma indireta, acabam melhorando a condição. Mas tudo isso precisa ser estudado pelo médico responsável", aponta a hepatologista Mônica Viana.

Prevenção

escada exercicio corrida 1116 1400x800
lzf/istock

A boa notícia é que alguns hábitos simples podem evitar o acúmulo de gordura no órgão e até mesmo reverter o quadro já instalado, que são:

  • Procurar manter um peso adequado para a estatura e porte físico. No entanto, cardápio restritivos podem provocar efeito sanfona, o que piora o quadro;
  • Consumir bebidas alcoólicas com moderação;
  • Controlar o consumo dos carboidratos refinados e das gorduras saturadas;
  • Praticar exercícios físicos aeróbicos regularmente.

Doenças no fígado