mulher

Estudo diz: não beba chá-verde ou camomila se estiver tomando algum desses remédios

cha verde mulher 1116 1400x800
kumeda/istock

Seja para emagrecer ou prevenir doenças, o consumo de ervas é muito comum, mas não é porque essas substâncias são descritas como naturais que são inofensivas ou seguras para todo mundo.

Um estudo sul-africano descobriu que chá-verde, ginkgo biloba, ginseng, camomila, erva-de-São-João e outras plantas e fitoterápicos podem interagir com medicamentos e causar uma série de efeitos danosos. Entenda:

Ervas que interagem com medicamentos

tomar remedios 0816 1400x800 1
Dima Sobko/shutterstock

A pesquisa publicada no British Journal of Clinical Pharmacology revisou 49 estudos de casos de interação entre medicamentos prescritos e ervas e dois trabalhos que documentam observações.

Os resultados mostraram que a ingestão de plantas pode afetar a maneira pela qual remédios agem no organismo, interferindo em enzimas de modo a bloquear ou potencializar seus efeitos. No segundo caso, há risco de impactos colaterais como dano nos rins, hemorragia, náusea, vômito, diarreia, problemas de saúde mental, convulsão e dor muscular.

Embora os resultados sejam embasados por outras pesquisas, ainda é preciso analisar especificamente cada uma das interações para comprová-las definitivamente.

Combinações perigosas

Veja as interações entre ervas e remédios consideradas perigosas pelo estudo:

Remédios para trombose e colesterol

camomila cha copo 2911 1400x800
iStock

A análise constatou que as reações entre remédios e ervas são mais comuns com varfarinas, classe de anticoagulantes usados em casos de trombose, e estatinas, farmácos voltados ao tratamento de colesterol alto e prevenção da aterosclerose.

Esses medicamentos podem ser perigosos se tomados com compostos como sálvia, linhaça, erva-de-São-João, cranberry, suco de goji, chá-verde e camomila.

Imunossupressores

Pacientes que receberam órgãos transplantados geralmente tomam medicamentos que reduzem a força do sistema imunológico, como tacrolimo e ciclosporina, a fim de evitar episódios de rejeição.

Essas drogas agem por meio da enzima CYP3A4 / 5, que é afetada por preparações à base de açafrão e chá de camomila.

Ainda por cima, o estudo descobriu que pessoas que tomam antirretrovirais para o controle do vírus HIV podem manifestar sinais de toxicidade com ginseng ou ginkgo biloba.

Antidepressivos

ginkgo biloba planta 0916 1400x800
eskymaks/istock

Quem toma antidepressivos, incluindo valafaxina e sertralina, junto com cápsulas QR e Mentat para artrite ou raiz de aipo pode desenvolver piora da depressão. Já a combinação com ginkgo biloba é capaz de causar convulsões.

Remédio contra câncer

A interação entre ginseng e imatinib, medicamento voltado ao tratamento de alguns tipos de câncer, pode alterar os níveis de enzimas hepáticas.

Além disso, outros agentes quimioterapêuticos, como cisplatina, etoposido e trabectedina, interagem com fitoterápicos com equinácea purpúrea e suco de Arônia.

Interação com remédios