mulher

Pessoas ruivas têm mais chance de desenvolver doença de Parkinson: por quê?

Pessoas ruivas são mais propensas a desenvolver doença de Parkinson, de acordo um recente estudo divulgado pela publicação científica Annals of Neurology, que encontrou uma relação entre o gene que garante características dos ruivos e o desenvolvimento da condição degenerativa.

Segundo o trabalho científico, a mutação genética que cria o tom avermelhado e alaranjado dos cabelos (MC1R), além de tornar a pele mais suscetível a danos causados ​​pelo sol, também afeta os produtos químicos do cérebro.

Ruivos têm maior probabilidade em desenvolver Parkinson

cabelo ruiv hidratado 1216 1400x900
Lena Pan/Shutterstock

À medida que as pessoas ruivas envelhecem, a MC1R limita a quantidade do hormônio dopamina liberado em certas partes do cérebro. O produto químico é considerado essencial no ataque a toxinas que geram a doença de Parkinson.

A pesquisa se alinha com outros levantamentos anteriores que comprovaram que pacientes com Parkinson têm um menor risco de desenvolver todos os cânceres, exceto o melanoma. E, por sua vez, pessoas com melanoma têm um risco maior de sofrer de Parkinson.

cabelo ruivo natural 0816 1400x800
FXQuadro/Shutterstock

Para chegarem à conclusão, os cientistas fizeram testes com ratos de laboratório e notaram que os animais que possuíam o gene ligado a melanoma tinham menos neurônios produtores de dopamina do os outros camundongos.

Com o avanço da idade, eles sofreram um declínio progressivo nos movimentos e uma queda nos níveis de dopamina, além de serem mais sensíveis a substâncias tóxicas que prejudicam os neurônios produtores do hormônio.

Doença de Parkinson: sintomas e tratamentos