mulher

Há uma onda de famosas postando fotos de seus 11 anos: razão chocante vai te impactar

View this post on Instagram

Yo a los 11. #niñasnomadres @actrices.argentinas

A post shared by Jazmin Stuart (@soyjazminstuart) on

Uma onda de fotos de crianças está tomando conta da timeline das redes sociais ao redor do mundo. São famosas publicando fotos de si mesmas quando tinham 11 anos. Mas, dessa vez, não era por uma brincadeira, um comparativo de anos engraçado, nem nada assim. O motivo é chocante e está impactando o mundo inteiro.

A razão por trás das postagens é uma criança de 11 anos que engravidou após ter sido estuprada pelo companheiro de sua avó e precisou passar por uma cesariana. O caso aconteceu na Argentina, na cidade de Tucumán, e movimentou celebridades daquele país, mas também está repercutindo mundo afora. Isso porque, além da violência sofrida pela menina através do abuso, ela não foi submetida a um aborto (desde 1921 o aborto é legal na Argentina quando a gravidez é fruto de um estupro).

A família da menina e organizações sociais estão considerando a cesariana uma "tortura" à criança.

Estupro na Argentina e debate sobre aborto

aborto legal argentina 2
Getty Images

Quando a menina estava na 16ª semana de gestação, pediu a sua mãe que fosse realizado um aborto. "Quero que tirem isso que o velho colocou dentro de mim", teria dito a criança, segundo o registro judicial do caso.

Embora as leis argentinas permitam que a intervenção seja feita em casos como esse, a Justiça demorou para tomar a decisão pelo aborto e, com a menina na 23ª semana de gravidez, os médicos acabaram submetendo a criança a uma cesariana para retirar o bebê vivo - segundo eles, graças ao avanço da gestação, a dilatação do processo de aborto poderia colocar em risco a vida da menina. O bebê não desejado, fruto de um abuso sexual a uma criança, agora está sob cuidado neonatal.

A decisão das autoridades argentinas de não dar à criança seu direito ao aborto, quando ela havia pedido por isso, causou uma enorme onda de repúdio na sociedade. A hashtag #NiñasNoMadres ("Crianças, não Mães", em tradução livre) tomou conta das redes sociais, onde milhares de mulheres compartilharam fotos suas quando tinham 11 anos, para evidenciar que nessa idade nenhuma menina poderia se tornar mãe.

Não é a primeira vez que acontece

Em 18 de janeiro deste ano, o Sistema de Saúde da província argentina de Jujuy também submeteu a uma cesariana uma criança de 12 anos, que havia engravidado após um estupro.

A menina, que também havia pedido a sua mãe que interrompessem a gravidez, já que as leis argentinas permitem, não teve seu pedido atendido. As autoridades chegaram a anunciar que essa vontade seria cumprida, mas isso não aconteceu. Como consequência, a menina de 12 anos teve uma cesárea prematura durante a 23ª semana de gestação. Nasceu uma bebê que acabou morrendo quatro dias após o parto.

Uma cesária não é "Interrupção legal da gravidez", é uma forma de tortura e de tornar essas meninas vítimas mais uma vez.

É por isso que tantas mulheres estão se mobilizando: para que os direitos de todas sejam respeitados!

Veja algumas das postagens de famosas argentinas:

Famosas argentinas se unem à campanha #NiñasNoMadres

View this post on Instagram

Yo a los 11 #niñasnomadres @actrices.argentinas

A post shared by Griselda Siciliani (@griseldasiciliani) on

View this post on Instagram

Yo a los 11 años! #NiñasNOmadres Cc @actrices.argentinas

A post shared by LALI (@lalioficial) on

View this post on Instagram

Yo a los 11 años #niñasnomadres 💚

A post shared by e m i l i a a t t i a s (@emilia_att) on

View this post on Instagram

Yo a las 11 #niñasnomadres @actrices.argentinas

A post shared by Nancy Dupláa (@duplaa_nancyok) on

View this post on Instagram

Yo a los 11. Siempre me suelo reír de mis fotos de cuando era chica. Pero hoy me quiero sumar a la bronca, la impotencia e indignación de lo que pasó con la nena de 11 años violada por el novio de su abuela. Ingresó al sistema de salud en Tucumán con un embarazo de 16 semanas. “La interrupción LEGAL del embarazo se hubiera realizado en 48 horas, sin riesgo para la salud de la nena. Pero no se le hizo caso y se dejó avanzar hasta la semana 23. El Gobierno de Tucumán la había retenido demasiado como para realizar una Interrupción Legal del Embarazo sin riesgos y sin el tormento de una cesárea. Dentro del quirófano TODOS LOS PROFESIONALES SE DECLARARON OBJETORES DE CONCIENCIA, hasta el anestesista. Sólo quedaron la doctora Ousset y su marido, también médico, para poner fin al tormento de la criatura. Practicaron la intervención, con alto riesgo de vida para la niña. Al finalizar, personal del Ministerio Público Fiscal para tomarles los datos a ella y el marido...” (para más detalles, esto lo contó @MarianaR31 en Twitter. A nadie le importan ahí las dos vidas, no les importa ninguna. #niñasnomadres

A post shared by Malenita Guinzburg (@mguinzburg) on

View this post on Instagram

Yo a los 11 años. #niñasnomadres

A post shared by Julieta Zylberberg (@juli_zylberberg) on

Content temporarily unavailable: https://www.instagram.com/p/BuafT3anNAl/

View this post on Instagram

Yo a las 11 años . . #niñasnomadres 💚

A post shared by ROCIO (@rochi_igarzabalok) on

View this post on Instagram

@soythelmafardin a los 11 años. #NiñasNoMadres

A post shared by Actrices Argentinas (@actrices.argentinas) on

Matéria traduzida do original de VIX espanhol, do autor Lucía Vernetti.