mulher

"Era agredida todo dia. Apanhava porque sorria", conta Gretchen sobre ex-marido

gretchen relato agressao 112016 1400x800
AgNews

Gretchen recentemente publicou em seu canal um vídeo para falar da violência contra a mulher - não de forma generalizada, mas de si. A cantora contou um pouco de como foram seus relacionamentos e focou especialmente no terceiro casamento, situação em que, como relata, foi violentamente agredida.

O vídeo foi publicado em seu canal do Youtube, espaço onde há um mês ela vem compartilhando detalhes da sua vida, desde tarefas cotidianas até assuntos mais sérios.

Na gravação, a cantora narrou um pouquinho como foram seus dois primeiros casamentos, revelou as traições que sofreu, motivo que a levou às separações, e depois, disse que ia contar o que realmente queria: a história de violência vivida em seu terceiro relacionamento.

De acordo com Gretchen, o companheiro, quando eles se conheceram, era muito gentil e, por isso, ela nunca imaginou que ele pudesse ser uma pessoa agressiva. A situação mudou, no entanto, quando os dois foram morar juntos e tiveram um filho, o primeiro do casal e segundo da cantora, que já era mãe de Thammy.

Relato de agressão

“Eu era agredida todos os dias, agredida de verdade, eu era espancada (…). Eu apanhava por qualquer motivo. Eu apanhava porque sorria, apanhava porque ficava triste, eu apanhava porque tomava banho com as minhas irmãs quando elas iam na minha casa. E ele não tinha nenhum problema com bebida. Ele me batia porque era psicopata. Mas, quando passava a crise, vinha chorando, passava mal do coração, dizia que tinha problema e que não vivia sem mim, que se eu saísse [de casa] ele morria. Eu vivia em uma gaiola de ouro, porque ele realmente tinha muito dinheiro”, desabafou a cantora.

Além das agressões físicas, Gretchen relatou ter sofrido manipulações emocionais já que, ao ser questionada sobre as marcas que apareciam em seu corpo, tinha sempre que inventar desculpas e justificativas de que tinha caído ou se machucado sozinha. “Ele dizia que se eu contasse, apanhava mais”, relembrou.

Gretchen ainda contou que por diversas vezes tentou colocar um fim na relação. A agressividade e a chantagem do então marido, no entanto, a impediam. “Ele dizia que se eu largasse dele, ele me matava. Um eu disse que ia embora e ele encostou um revólver no meu pescoço e disse pra mim: 'Se você sair daqui, eu mato você e mato o Decinho [filho fruto da relação]'", contou.

Foi durante uma viagem do ex-companheiro que ela conseguiu sair de casa com seu segundo filho que, na época, era uma criança pequena.

Meses depois, quando a situação já parecia ter sido normalizada, Gretchen voltou para sua casa com o filho. Mas, pouco tempo depois, o agressor reapareceu. “Ele chegou com uma arma e disse que eu tinha que passar a guarda do meu filho para ele, porque se não ele ia sumir com meu filho. Eu não queria que ele tirasse a vida do meu filho. Então, assinei o papel e ele levou”, revelou.

De acordo com a cantora, além de obrigá-la a transferir a guarda do menino, o ex-companheiro ainda impediu que por muitos anos a mãe tivesse contato com o filho, que só foi ouvir o relato anos depois. “Eu nunca contei porque ele era muito pequeno e eu não queria que sofresse”, explicou. Hoje Décio está com 30 anos, é casado, e em dezembro de 2016, eles se encontrarão pessoalmente.

Com a narrativa, a cantora disse querer ajudar outras mulheres. “Dividi minha intimidade porque sei que vou ajudar muita gente com isso. Você que está sofrendo, que está passando por isso, tenha coragem e denuncie. Não tenha medo. Não passe por essas coisas. Você não precisa disso. Procure sua felicidade”, reforçou.

A cantora hoje está casada novamente e, como conta, muito feliz. “Às vezes demora, às vezes a gente acha que nunca vai encontrar. Eu dizia: 'Mãe, se o mundo tem milhões de pessoas, será que não tem um que Deus fez pra mim?'. É por isso que eu não parava de tentar, que não desistia. Porque se tem uma coisa que eu jamais aceito é traição. Eu infelizmente não sei perdoar traição. Não sei e não acho correto porque acho que dentro um relacionamento tem que existir fidelidade”, concluiu.

Violência doméstica: o problema é MUITO grave

estupro violencia mulher 1016 1400x800 6
Yupa Watchanakit/shutterstock

A história de Gretchen é apenas mais uma que faz parte dos alarmantes dados sobre violência doméstica no Brasil, uma das mais preocupantes violências contra a mulher, tanto por seus altos índices quanto pela dificuldade na investigação e punição dos agressores.

De acordo com definição da Organização Mundial de Saúde, ela pode ser caracterizada como todo comportamento dentro de uma relação íntima que causa dano físico, sexual ou psicológico, incluindo atos de agressão física, coerção sexual, abuso psicológico e comportamentos controladores.

Assim como a cantora, muitas mulheres se sentem intimidades a levar o caso para a Justiça por muitos motivos, entre os principais deles estão o descredito e a culpabilização comumente encontrados nas delegacias e no sistema judiciário como um todo, o medo das retaliações, ameaças, reações violentas do parceiro e da ineficiência da proteção que deveria ser garantida pela polícia, a dependência financeira, física e emocional, a falta de apoio dos familiares e amigos e a esperança de que o agressor pode mudar.

Mesmo o sistema ainda não sendo completamente eficiente, advogados, delegados e promotores de justiça são unânimes em insistir que o melhor caminho é a denúncia. Ela pode ser feita em uma Delegacia da Mulher ou em uma delegacia comum, em cidades que não possuem a unidade especializada. O número 180, exclusivo para denúncias de violência contra a mulher, também recebe denúncias e ainda age oferecendo informações sobre os melhores procedimentos a serem tomados. A Defensoria Pública de cada estado também está habilitada a prestar assistência nesses casos.

Violência contra a mulher