pop

Cães têm mais neurônios e são mais inteligentes do que gatos, mostra estudo

cachorro gato brincando 0520 1400x800 2
Chendongshan/Shutterstock

Quem é mais inteligente: cão ou gato? O questionamento pode ser polêmico e gerar inúmeras especulações entre os “pais” de cachorros e felinos, mas a ciência já possui argumentos que ajudam a acabar de vez com a dúvida.

Cães são mais inteligentes do que gatos?

De acordo com um estudo publicado na revista científica Frontiers in Neuroanatomy, a resposta tem, inicialmente, tudo a ver com o número de neurônios no córtex cerebral, associados ao processo de pensamento, ao planejamento e ao comportamento complexo, ou seja, todas consideradas marcas de inteligência.

cachorro cao caozinho dona carinho 0220 1400x930
JopsStock/Shutterstock

A pesquisa comparou diferentes espécies de carnívoros para verificar como o número de neurônios se relaciona com o tamanho de seus cérebros e desenvolveu um método para medir com precisão a quantidade de neurônios no cérebro dos animais.

Os estudiosos conseguiram descobrir que cães têm cerca de 530 milhões de neurônios corticais, enquanto os gatos têm cerca de 250 milhões.

cachorro sofa 0320 1400x800
Robert MacMillan/Shutterstock

Acredito que o número absoluto de neurônios que um animal possui, especialmente no córtex cerebral, determina a riqueza de seu estado mental interno e sua capacidade de prever o que está prestes a acontecer em seu ambiente com base em experiências passadas, explicou Suzana Herculano-Houzel, líder do trabalho científico.

No entanto, a própria especialista afirma que medir a inteligência em si é algo muito mais complexo e subjetivo. Os resultados do estudo apenas mostram, segundo ela, que os cães têm a capacidade biológica de fazer coisas mais complexas do que os gatos.

cachorro hotel 0419 1400x800
Javier Brosch/Shutterstock

A quantidade maior de neurônios encontrada no cérebro dos cães poderia ainda explicar sua versatilidade, uma vez que eles ocupam os mais diversos papéis na sociedade, como em operações policiais, de resgaste e como acompanhantes de deficientes visuais, por exemplo.

No estudo, foram analisados os cérebros de furões, mangustos, guaxinins, gatos, cachorros, hienas, leões e ursos. A ordem dos carnívoros foi escolhida porque apresenta uma grande variedade de tamanhos de cérebros e inclui tanto animais domésticos quanto selvagens.

Estudos científicos sobre cães e gatos