Gesto e palavras de Fábio Assunção após morte de Ágatha Félix geram comoção

Na última sexta-feira (20), Ágatha Félix, de 8 anos, morreu após ser baleada na comunidade da Fazendinha, no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro. O disparo teria acontecido durante uma operação da Polícia Militar.

O caso gerou muita revolta entre os moradores da comunidade e no último domingo (22), eles organizaram um protesto pelas ruas do Alemão do qual o ator Fábio Assunção participou para apoiar e dar destaque ao ocorrido.

Protesto contra morte de Ágatha Félix

De acordo com o site de notícias G1, segundo moradores da comunidade, o disparo que atingiu Ágatha veio da arma de um policial, que tentou atingir uma moto que passava pelo local.

Para protestar contra a morte de Ágatha, moradores da região fizeram cortejo até o local onde o corpo da pequena estava sendo velado.

Os protestantes seguravam uma faixa com a frase "parem de nos matar" e balões amarelos, que faziam menção a uma foto de Ágatha segurando uma bexiga da mesma cor.

A manifestação contou com o apoio de outros moradores da cidade e até do ator Fábio Assunção, que caminhou ao lado das pessoas pedindo por paz e segurança nas áreas periféricas do Rio de Janeiro.

Fábio Assunção na manifestação

Fábio usou o Instagram para compartilhar o ato "Ágatha Presente" e fez um discurso sobre como a desigualdade social e o modo como fomos ensinados a enxergar os moradores de periferia precisa ser mudado.

View this post on Instagram

Sei o que pensa uma parte da população. E venho aqui de novo dar minha cara a tapa. Mas, independentemente do que pensa esse grupo que enaltece a morte, eu sinto amor e estive no Alemão hoje. Solidário, empático com a dor coletiva e marcando a posição que acredito. Que é a urgência em nos reconhecermos entre aqueles de quem aprendemos manter distância. Aprendemos que os pobres são perdedores, que os pretos são perigosos e que os ricos venceram. Será que não conseguiremos romper essa educação colonial e entender agora que somente o coletivo, a soma e a diversidade podem nos trazer alegria?? Hoje caminhando ali percebi que tinha pouca gente no cortejo. Percorri as ruas com moradores e moradoras chorando ou em silêncio. Existiam ali amor e tristeza. Ruas cheias de buracos, casas sem fachada, obras paradas, esgoto a céu aberto. O morador da periferia e da comunidade não merece viver? Está ali apenas para servir às classes que herdaram algo ou aos que tiveram chance de conquistar uma moradia silenciosa, aos que não dormem ao som dos tiroteios? Agatha tinha 8 anos. Uma criança de 8 anos ainda é pura, ainda está na categoria de anjo, na minha percepção. Minha filha tem 8. Meu filho já teve. Essa guerra em vigor é uma guerra inútil, onde todos perdem. Todos. Policiais em serviço morrem. Cidadãos de bem morrem. Crianças morrem. Quem teve a sorte de não estar na linha de tiro pode se posicionar também. Amorosa e pacificamente. Talvez isso não aconteça amanhã, mas o tempo há de nos levar pelo caminho da admiração mútua, pois todos precisam de amor, de afeto e de oportunidade de crescer. E todos são maravilhosos, cheios de força e talento pra botar pra fora. Falta apenas um olhar. Morador pobre de comunidade não é coitado. Coitados são aqueles que desprezam a vida do outro. 🐨🐨🖤🖤💛💛💛💛💛💛

A post shared by Fabio Assunção (@fabioassuncaooficial) on

"Estive no Alemão hoje. Solidário, empático com a dor coletiva e marcando a posição que acredito. Que é a urgência em nos reconhecermos entre aqueles de quem aprendemos manter distância. Aprendemos que os pobres são perdedores, que os pretos são perigosos e que os ricos venceram.

Será que não conseguiremos romper essa educação colonial e entender agora que somente o coletivo, a soma e a diversidade podem nos trazer alegria??

Hoje caminhando ali percebi que tinha pouca gente no cortejo. Percorri as ruas com moradores e moradoras chorando ou em silêncio. Existiam ali amor e tristeza. Ruas cheias de buracos, casas sem fachada, obras paradas, esgoto a céu aberto. O morador da periferia e da comunidade não merece viver?

Está ali apenas para servir às classes que herdaram algo ou aos que tiveram chance de conquistar uma moradia silenciosa, aos que não dormem ao som dos tiroteios?".

O ator ainda lembrou que tem uma filha de 8 anos - mesma idade de Ágatha - e chamou a atenção para essa guerra civil que vivemos, onde "todos perdem".

"Todos. Policiais em serviço morrem. Cidadãos de bem morrem. Crianças morrem. Quem teve a sorte de não estar na linha de tiro pode se posicionar também. Amorosa e pacificamente. Talvez isso não aconteça amanhã, mas o tempo há de nos levar pelo caminho da admiração mútua, pois todos precisam de amor, de afeto e de oportunidade de crescer. E todos são maravilhosos, cheios de força e talento pra botar pra fora. Falta apenas um olhar. Morador pobre de comunidade não é coitado. Coitados são aqueles que desprezam a vida do outro".

Atitude de Fábio Assunção gera elogios

O gesto de solidariedade a uma causa que está distante da realidade do ator, fez com que ele não só recebesse vários elogios, como também o apoio e defesa sobre o tom desrespeitoso de comentários em relação a sua dependência química, sobre a qual já falou diversas vezes.