Este comercial levanta debate tão importante que incomodou muitos e gerou até boicote

comercial gilette site masculinadade 0119 1400x800
Casimiro PT/Shutterstock

A masculinidade tóxica, ou seja, a forma com que alguns homens agem em sociedade e que prejudica tanto eles próprios quanto pessoas de sua convivência, especialmente mulheres, se tornou assunto de uma nova campanha publicitária da Gillette.

Ao questionar alguns hábitos sociais vinculados à masculinidade, a marca mundialmente famosa por produtos de higiene e cuidados pessoais recebeu uma série de reações negativas.

Até agora, o vídeo no Youtube tem mais de 650 mil descurtidas, contra pouco mais de 270 mil curtidas. Pessoas anunciaram que vão boicotar a Gillette. Entenda reações.

Comercial da Gillette critica masculinidade tóxica

Na propaganda, a Gillette mostra algumas atitudes relacionadas ao papel masculino na sociedade e que, de tão repetidos, julgamos erroneamente serem comuns a quem se identifica como homem.

Violência, abusos sexuais, interrupção na fala da mulher ou tentativa de explicar o que ela está falando ("Manterrupting" e "Mansplaining", respectivamente, como são denominadas essas atitudes) fazem parte do pacote daquilo que a peça publicitária "The Best Men Can Be" (traduzido como "O Melhor para o Homem") aponta como tóxico.

Há simulações de uma briga entre meninos, prática de bullying, homens assediando mulheres ou hiperssexualizando seus corpos e referências ao movimento "Me Too", que estimulou mulheres do mundo inteiro a denunciarem abusos que vivenciaram, e às denúncias de assédio sexual de mulheres dentro da indústria do entretenimento.

Tradução do texto em inglês do vídeo:

[Fala na televisão] — Bullying…O movimento Me Too contra o assédio sexual… Masculinidade…

[Voz do narrador] Esse é o melhor que o homem pode ter? Será?

[Imagens na tela] Aberração! Você é um fracassado! Todo mundo te odeia! Mariquinha!

[Voz narrador] Não podemos nos esconder disso. Isso já vem acontecendo há muito tempo. Não podemos rir e relevar.

[Homem falando em reunião] — O que eu acho que ela quis dizer é…

[Voz do narrador] Dando sempre as mesmas velhas desculpas…

[Homem assistindo à briga de meninos] — Meninos são assim…

[Homem sozinho]

— Meninos são assim…

[Homens em frente a churrasqueiras] — Meninos são assim…

[Voz do narrador] Mas algo finalmente mudou.

[Apresentadora na TV] — Acusações a respeito de assédio e abuso sexual…

[Voz do narrador] E não haverá volta. Porque nós Nós acreditamos no melhor do homem.

[Terry Crews] — Homens precisam responsabilizar outros homens.

[Jovem na festa] — Sorria, docinho!

[Jovem 2 na festa] — Qual é?

[Voz do narrador] Só diga a coisa certa. Para agir da maneira correta.

[Homem segurando amigo na entrada na loja] — Irmão, isso não é legal, não é legal.

[Voz do narrador] Alguns já estão fazendo isso. De formas grandes… e pequenas.

[Pai com a filha no espelho] — Diga: "Eu sou forte’"

[Menina] — Eu sou forte!

[Homem separando briga de meninos]

— Ei, garotos!

[Voz do narrador] — Mas alguns não é o suficiente.

[Homem separando briga de meninos] — Não é assim que tratamos os outros, ok?

[Pai falando com vítima de bullying] — Você está bem?

[Voz do narrador] Porque os meninos assistindo a isso hoje…Serão os homens de amanhã.

[Frase no final]

O Melhor para o Homem

É apenas desafiando nós mesmos a fazer mais que conseguimos chegar perto do nosso melhor.

Mudança de pensamento gerou repercussão

O final da campanha, que mostra possíveis soluções para essas situações de conflito e violência, traz exemplos de empatia, amor e atenção à saúde (física e mental) dos próprios homens. Aparentemente algo que todos nós devemos prezar, não é mesmo?

Apesar disso, o vídeo, que não é vinculado oficialmente no Brasil, sofreu uma série de criticas nas redes sociais, especialmente nos países em que a campanha está sendo divulgada.

Além de entenderem que a marca estava criticando a masculinidade em si (e não as ideias engessadas do que é ser masculino), muitos usuários sugeriram boicote à empresa.

"Não vou mais comprar Gillette e outros produtos da P&G. Uma empresa que construiu seu império graças a homens que compram seus produtos há décadas se atreve a cuspir na masculinidade no novo comercial. Já deu".

"Por que está atacando a masculinidade? Eu nunca mais vou comprar nenhum de seus produtos".

"Um tão velho amigo (boicote Gillette. O futuro é masculino)".

Por outro lado, muita gente entendeu o novo comercial como uma oportunidade de as pessoas que se identificam como homens repensarem quais são as características associadas a elas que podem ser reanalisadas, melhoradas.

Só assim a vida em sociedade pode ser mais justa, saudável e pacífica, já que temos um mundo guiado pelo machismo e seus desdobramentos tóxicos.

'Não entendi a revolta com o comercial da Gillette. Existe masculinidade tóxica? Sim. Os homens que não são tóxicos são, muitas vezes, cúmplices da toxidade por não chamara atenção de quem a pratica? Sim. A nossa noção de masculinidade é cheia de problemas? Sim, é óbvio".

"O tal comercial da Gillette diz: homens, parem de ser idiotas. Se você ficou bravo com esse comercial, então é exatamente pra você que ele foi feito".

"Eu não tô entendendo a polêmica e o ódio acerca deste comercial da Gillette. Tipo, ele literalmente só passa a mensagem pra que você não seja malvado ou sem noção com as pessoas ao seu redor. 'qqtacoteseno' [o que que tá acontecendo], gente".

"Que comercial lindo e importante, se você viu e se sentiu incomodado, é provável que tem alguma coisa errada aí dentro de você. Bravo, Gillette!".

O que diz a Gillette

Em nota, a empresa diz que a nova campanha é "um chamado para que todos os homens se desafiem e se inspirem a ser a melhor versão de si mesmos, todos os dias.

Homens, em todos os lugares do mundo, já estão trabalhando para reescrever as regras sobre o que parece ser "o melhor" e se unindo para fazer isso acontecer. Como uma marca que é parte essencial da masculinidade há mais de um século, Gillette quer fazer parte dessa mudança".

Mais sobre masculinidade