mulher

Romeo conseguiu olhar nos olhos de Mion e isso foi uma grande vitória: médico explica

De férias, Marcos Mion e Suzana Gullo têm mostrado registros lindos em família e, ao postar um vídeo em que Romeo - filho mais velho do casal, que tem Transtorno do Espectro Autista (TEA) - aparece olhando fixamente nos olhos do pai por um longo intervalo de tempo, o apresentador descreveu o ato como uma grande vitória.

O pediatra e neurologista infantil Clay Brites explica por que algo que parece tão simples para a maioria das pessoas pode ser um enorme desafio para alguém com TEA.

Por que é uma vitória Romeo olhar nos olhos do pai?

Conforme explica o médico, que também é um dos idealizadores do Instituto NeuroSaber, pessoas com autismo podem apresentar muita dificuldade em manter contato visual com outras pessoas, e isso se deve à forma como o cérebro delas percebe certas coisas.

“A criança, o jovem autista, tem uma dificuldade de percepção das formas regulares e naturais da face. A face humana, para o paciente com autismo, gera, muitas vezes, um incômodo muito grande, uma dificuldade de compreensão, de manutenção por incômodo de percepção”, afirma o médico, comparando esta dificuldade à dificuldade natural do ser humano em encarar o Sol por muito tempo.

Enquanto esta dificuldade de olhar o Sol é algo visual, a questão de pessoas com autismo em relação a rostos é uma dificuldade ligada à percepção – algo que acaba por criar uma espécie de fobia. “Além disso, as áreas do cérebro responsáveis pela empatia voltada para o contato visual também são deficitárias, então esse paciente não sente necessidade de olhar nos olhos”, afirma Clay.

Este momento, portanto, mostra que Romeo tem quebrado barreiras relacionadas ao autismo – e, de acordo com o neurologista, isso significa que o tratamento e a terapia que ele vem fazendo ao longo dos anos provavelmente têm sido proveitosos.

Marcos Mion e família