mulher

Desabafo de atriz sobre cesárea indesejada, pressões e corpo pós-parto gera empatia

crhis ubach atriz 0220 1400x800
Globo/Estevam Avellar

Experimentando pela primeira vez a maternidade, a atriz Chris Ubach escreveu um longo desabafo em seu perfil no Instagram sobre o que têm sido os primeiros dias após o nascimento do filho, Ravi.

No texto, a atriz fala sobre a cesárea não desejada que teve de fazer, como está seu corpo no pós-parto e as pressões que sente no momento.

Atriz desabafa sobre a maternidade real

Instagram

Em janeiro de 2019, Chris deu à luz Ravi. O menino é fruto do relacionamento da atriz com o também ator Rafael Lozano. Ao falar do nascimento do menino, Chris contou ter realizado uma cesárea. A cirurgia não havia sido o procedimento planejado pela atriz, mas precisou ser o escolhido já que o bebê permaneceu sentado no momento do parto.

“Fiz todos os processos, yoga, acupuntura, e por fim a manobra. Mas ele continuou na mesma posição”, explicou Chris sobre todas as tentativas frustradas para que a cesárea não acontecesse.

Instagram

Passado o nascimento de Ravi, agora Chris lida com o puerpério. A atriz conta que chegou a se preparar para esta fase pós-gravidez, especialmente para a questão emocional, mas se surpreendeu com a sensação do corpo após o parto.

“De repente sai um ‘órgão’ de mais de 3 kg, junto com tudo, placenta, líquido e etc. Logo depois do parto são quase 6,8 kg que saem de você.”

Somado a isso, Chris também diz lidar com constantes dores da cirurgia e na coluna por carregar o filho no colo, além de falta de paciência e alta sensibilidade.

Instagram

No relato honesto, a atriz ainda critica a pressão estética pela qual mães passam após parir. “Me diz: em que cirurgia que você tira do seu corpo o equivalente a 6 kg e que logo após você é obrigada socialmente a estar magra, ou fazendo regime? Estar bonita? Ou estar tranquila? Porque (quase) ninguém pergunta como voceeeee está de fato. E você não tem repouso, porque parte desses Kg precisa de você fora de você.”

Diante do desabafo, muitas mães se identificaram e apoiaram a atriz. "Opa!!! Tao real... tanto amor... tanta dor... sufoco.. siga firme! Tamo juntas", escreveu Samara Felippo. "Tudo junto ao mesmo tempo... e tudo tão intenso... estamos juntas!", reforçou a também atriz Pathy Dejesus.

Leia o desabafo na íntegra:

"Ouvi tanto falar de puerpério, tanto, que me preparei pro pior. Para choros constantes, desamparo, desalinho, desastres. O que aconteceu: um corpo murcho, que parece ter sido atravessado por uma bala de canhão no meio da barriga. Sem músculo e sem sustentação alguma. Com gorduras e celulites que não sabem pra onde vão. Dores na coluna de carregar um neném o dia (às vezes noite) inteiro que só cresce (amém). “Sem tempo irmão” pra qualquer coisa. O tempo que tem, precisa ser muito bem aproveitado, com o que é necessário, e que só você pode fazer por você.

Sensibilidade que nem pétala de flor, que se soprar mais forte... pois bem... pensemos...

Você passa por um processo que de repente sai um “órgão” de mais de 3 kg, junto com tudo, placenta, líquido e etc, logo depois do parto são quase 6,8 kg que saem de você depende. No meu caso, uma cirurgia, não desejada. Meu bebê ficou sentado até o fim. Fiz todos os processos, yoga, Acupuntura, e por fim a manobra, e ele continuou na mesma posição. Bem, temos as dores de uma cirurgia (que não consigo entender ser escolhida a priori), em um lugar super delicado, na base do seu abdômen. Uma loucura. Me diz em que cirurgia que você tira do seu corpo o equivalente a 6 kg em que logo após você é obrigada socialmente a estar magra, ou fazendo regime. Estar bonita. Ou estar tranquila pq (quase) ninguém pergunta como voceeeee está de fato. E você não tem repouso, porque parte desses Kg precisa de você fora de você.

Você tem 9 meses para se preparar pra depender dos outros pq agora tem um ser que depende de você. E quando nasce é a realização de que certas escolhas são eternas.

É sobre não ser mais só um, e sim dois. É sobre encarnar um ser humano. A mulher não da a luz. Da a carne. Encarna. Depois esculpe com o leite cada pedacinho. É uma obra!

É preciso silêncio, resguardo, lágrimas soltas, banhos, suor, brigadeiro, água sem fim.

Agora entendo as mulheres que usam as redes (sociais) para se colocarem, pra se expor, ou pra trocar. Eu pensava, caraca acabou de parir e já tá no celular. Mas eu entendo. Porque é uma solidão, uma imensidão tão grande nesse silêncio de mamadas e choro, que é mais fácil ter relações gerais, difusas, e constantes, e quando da... a rede faz isso. E pra você? Como foi?

Agradeço as mulheres que se expuseram antes de mim, e que assim pude me preparar e ter uma grata surpresa , e só me apaixonar pelo meu filho, e por essas dobras salientes na minha barriga que ficaram pra contar os nove meses!!! Ser mulher é uma graça!"

Maternidade real