mulher

Desabafo de Rafa Brites fala sobre a pressão para "emendar" uma gravidez na outra

View this post on Instagram

Boa Semana queridos que me seguem aqui!

A post shared by Rafa Brites (@rafabrites) on

O filho de Rafa Brites e Felipe Andreoli está completando dois anos e meio de vida e, para aproveitar a data especial, a jornalista resolveu falar abertamente sobre uma pressão muito comum sofrida pelas mulheres após tornarem-se mães: a pressa por uma segunda gestação.

De maneira sincera, Rafa confessa também sentir o peso dessa cobrança e revela os motivos que a fazem não optar por engravidar novamente e dar um irmão (ou irmã) para Rocco. Confira:

Rafa Brites revela pressão para engravidar novamente

Através de um post em suas redes sociais, Rafa Brites comenta que seu filho, Rocco, está completando dois anos e meio de vida e, apesar de ser uma data pra lá de especial, vem acompanhada de uma série de cobranças relacionadas à chegada de um próximo herdeiro - situação que reflete bem os inúmeros julgamentos e cobranças da maternidade.

No início, a artista escreve a pergunta que mais tem escutado desde a chegada do herdeiro. Em seguida, Rafa fala que prefere enxergar a maternidade como um dos papéis que ela desempenha em sua vida e não como um rótulo que define sua função no mundo.

"E o segundo filho? Hoje meu bebê faz dois anos e meio. Ha tempo que não escrevo aqui sobre maternidade. Sim, é um assunto que eu amo. Mas, sim, acho chato só falar sobre isso, gosto de me ver como uma mulher integral onde a maternidade é apenas uma parte de mim", começa.

View this post on Instagram

Pular numa pscina de marshmallow✔️

A post shared by Rafa Brites (@rafabrites) on

A reflexão segue e Rafa explica a diferença entre querer um segundo filho ou querer um irmão para o primeiro. A partir dessa explicação, ela conclui que não quer passar por uma nova gestação nesse momento.

"A verdade é que hoje, o que eu gostaria é que o Rocco tivesse um irmão/irmã. O 'certo' seria engravidar agora. Mas sendo bem honesta: o meu desejo materno, por hora, está bem saciado. Uma gravidez agora seria de um irmão para meu filho, não de um filho para mim. Entendem essa diferença?", escreve.

Além da pressão da sociedade como um todo em cima das mulheres, Rafa comenta que muitas vezes essa coerção vem diretamente dos parceiros, entretanto, nesses casos muitas mães acabam ficando exaustas devido às inúmeras demandas que cada filho tem.

"Sei que muitos maridos/das adoram dar aquela pressionada na esposa para esse segundo filho não ficar muito distante do primeiro. [...] se a mãe tá empolgada 'Boraaa aá'. Tudo lindo! Mas se não. Tenho visto casos de extrema exaustão de mães que teriam esperado um pouco a mais", explica.

Por fim, a jornalista defende que o desejo de ser mãe precisa partir da mulher, que tem que querer passar por todas essas fases novamente.

"Sinto que para engravidar eu preciso querer outro bebê, outro enxoval, outro quartinho, outros livros de educação infantil. E no momento, depois de dois anos e meio, a única coisa a que sinto é que não estou pronta para começar tudo de novo".

No post, vários relatos de identificação e apoio surgiram. Comentários como "não tem hora certa, não tem diferença de idade ideal! Tem o momento certo pra você e pra sua família" e até relatos de mulheres que se sentem cansadas por terem dois filhos com pouca idade, como "tenho duas com diferença de 1 ano e 10 meses e estou extremamente exausta, pois quase não tenho ajuda (exceto do marido, que trabalha fora). A primeira foi planejada, a segunda foi no susto".

View this post on Instagram

E o segundo filho? Hoje meu bebê faz 2 anos e meio. Ha tempo que não escrevo aqui sobre maternidade. Sim é um assunto que eu amo. Mas sim, acho chato só falar sobre isso, gosto de me ver como uma mulher integral onde a maternidade é apenas uma parte de mim. Como vcs devem imaginar todos os dias alguém me pergunta sobre o segundo filho. A minha resposta é sempre meio ... sim quero mas... ah quando? Ichi... vamos ver... A verdade é que hoje o que eu gostaria é que o Rocco tivesse um irmão/ irmã. O vejo em casa brincando sozinho e penso: tadinho seria tão bom se ele tivesse um irmãozinho... poxa o ideal é que sejam de uma idade parecida. O “certo” seria engravidar agora.Mas sendo bem honesta: o meu desejo materno, por hora, esta bem saciado. Uma gravidez agora seria de um irmão para meu filho, não de um filho para mim. Entendem essa diferença? Sei que muitos maridos/das adoram dar aquela pressionada na esposa para esse segundo filho não ficar muito distante do primeiro. Vamos emendar amor ... ja acaba com isso tudo de uma vez... e claroooooo, se a mãe ta empolgada Boraaa ai. Tudo lindo! Mas se não... Tenho visto casos se extrema exaustão de mães que teriam esperado um pouco a mais. Sinto que para engravidar eu preciso querer outro bebê, outro enxoval, outro quartinho, outros livros de educação infantil. E no momento depois de 2 anos e meio a única coisa a que sinto é que não estou pronta para começar tudo de novo. Parece que agora que to conseguindo respirar. Quando eu digo isso ouço que quanto mais eu postergar, menos vou tomar coragem. Mas não sei se concordo . Talvez pelo fato de eu ter diferença de 7 anos pra minha irmã do meio e 13 para a mais velha me ajuda a ter essa calma. Somos melhores amigas, unha e carne desde sempre. Bueno. Essas decisões são muito pessoais e hoje quis dividir a minha de esperar um pouco para o 2. E vocês me contem ai sobre as as suas decisões. #textou

A post shared by Rafa Brites (@rafabrites) on

Leia o texto na íntegra:

"E o segundo filho? Hoje meu bebê faz dois anos e meio. Há tempo que não escrevo aqui sobre maternidade. Sim, é um assunto que eu amo. Mas, sim, acho chato só falar sobre isso, gosto de me ver como uma mulher integral onde a maternidade é apenas uma parte de mim.

Como vocês devem imaginar, todos os dias alguém me pergunta sobre o segundo filho. A minha resposta é sempre meio ... sim, quero, mas... ah, quando? Ichi... vamos ver... A verdade é que, hoje, o que eu gostaria é que o Rocco tivesse um irmão/irmã. O vejo em casa brincando sozinho e penso: tadinho, seria tão bom se ele tivesse um irmãozinho... poxa, o ideal é que sejam de uma idade parecida. O 'certo' seria engravidar agora. Mas sendo bem honesta: o meu desejo materno, por hora, está bem saciado. Uma gravidez agora seria de um irmão para meu filho, não de um filho para mim. Entendem essa diferença?

Sei que muitos maridos/das adoram dar aquela pressionada na esposa para esse segundo filho não ficar muito distante do primeiro. Vamos emendar, amor, já acaba com isso tudo de uma vez. E, claro, se a mãe tá empolgada boraaa aí. Tudo lindo! Mas se não. Tenho visto casos de extrema exaustão de mães que teriam esperado um pouco a mais.

Sinto que para engravidar, eu preciso querer outro bebê, outro enxoval, outro quartinho, outros livros de educação infantil. E, no momento, depois de dois anos e meio, a única coisa que sinto é que não estou pronta para começar tudo de novo. Parece que agora que tô conseguindo respirar. Quando eu digo isso, ouço que quanto mais eu postergar, menos vou tomar coragem. Mas não sei se concordo. Talvez pelo fato de eu ter diferença de 7 anos pra minha irmã do meio e 13 para a mais velha, me ajuda a ter essa calma. Somos melhores amigas, unha e carne desde sempre. Bueno. Essas decisões são muito pessoais e hoje quis dividir a minha de esperar um pouco para o 2º".

Filho de Rafa Brites e Felipe Andreoli