Leite materno tem gordura que pode proteger bebê da obesidade por toda a vida

amamentacao leite materno 0119 1400x800
Olena Kosynska/shutterstock

Além de trazer inúmeros benefícios para o desenvolvimento do bebê, o leite materno também influencia na qualidade de vida das crianças no futuro e pode até proteger contra a obesidade.

Foi o que concluíram pesquisadores da Universidade de Ulm, na Alemanha, ao estudar os efeitos de uma gordura chamada alquilglicerol (AKG). Esta substância, que a criança só encontra no leite materno, ajuda a regular o metabolismo desde cedo.

Gordura do leite materno se transforma em calor

Os cientistas descobriram que o AKG favorece o desenvolvimento da chamada gordura bege nos bebês. Como explica o endocrinologista Bruno Halpern, da Faculdade de Medicina da USP, este tipo de lipídio tem a propriedade de gerar calor a partir de energia.

Lipídios do tipo bege e também marrom ajudam o bebê a se proteger do frio e ainda previnem a obesidade, pois a energia que seria estocada em forma de gordura branca é eliminada ao ser transformada em calor.

bebe mae amamentar 0519 1400x800
polya_olya/Shutterstock

Benefício exclusivo do leite materno

Além dos humanos, várias espécies de mamíferos produzem este tipo de gordura no leite - exceto a vaca. Não há outras fontes na natureza além do leite. A AKG também não pode ser encontrada em nenhum tipo de fórmula artificial.

O estudo confirmou, ainda, que os bebês alimentados por leite materno apresentaram maior presença de gordura bege e marrom. "Mais uma prova que a obesidade tem muitas causas, algumas pouco discutidas, e mais uma evidência a favor do aleitamento materno", destacou o médico.

View this post on Instagram

Existem vários estudos epidemiológicos publicados que sugerem que amamentação é um fator protetor contra a obesidade, não só na infância, mas também na vida adulta. Há discussões se é realmente um fator causal, ou só uma relação, por exemplo, bebês que foram amamentados podem ter menos acesso precoce a alimentos calóricos, ou mesmo ter estruturas familiares que são diferentes da média dos bebês que não foram amamentados, etc, etc. 👉Porém, um estudo fascinante recém-publicado pode nos ajudar a desvendar uma possível causa de proteção contra a obesidade da maior amamentação. 👉Descobriu-se que o leite materno contém uma gordura chamada AKG (alquilglicerol). Essa gordura, presente unicamente no leite, permite o desenvolvimento, nos bebês, de gordura marrom, uma gordura que gera calor a partir de energia, e que os protege do frio. Mas sabe-se também que mais gordura marrom também pode ser um protetor contra o ganho de peso, pois a energia que seria estocada acaba se transformando em calor e perdida. 👉Leite de diversas espécies animais contém essa AKG, mas o leite de vaca não! E não há outras fontes na natureza! 👉O estudo estudou roedores, mas também avaliou bebês de mães que haviam amamentado, mostrando uma maior presença de tecido marrom nessas crianças, o que corrobora a teoria. 👉Mais uma prova que a obesidade tem muitas causas, algumas pouco discutidas, e mais uma evidência a favor do aleitamento materno! Ref: Breast milk alkylglicerols sustain beige adipocytes through adipose tissue macrophages. JCI 2019 #aleitamentomaterno #amamentação #leitematerno #leite #obesidadeinfantil #gorduramarrom #gordurasboas

A post shared by Dr Bruno Halpern (@drbrunohalpern) on

Benefícios do leite materno