mulher

Pediatra explica "tim-tim por tim-tim" diferença da vacina contra a gripe particular e do SUS

braco crianca vacina 1218 1400x800
Africa Studio/Shutterstock

A vacina contra o vírus Influenza, causador da gripe, é uma das medidas mais eficazes para prevenir a doença. Especialmente entre os grupos com maior risco de evoluir para formas mais graves, como bebês, crianças e idosos.

O que poucos pais sabem é que existem algumas diferenças entre a vacina distribuída gratuitamente nos postos de saúde e aquelas encontradas em clínicas particulares. Além do preço, que varia entre R$ 100,00 e R$ 200,00, a imunização da rede particular protege contra 4 tipos de vírus, enquanto no SUS são 3.

Vacinas contra a gripe

vacina gripe influenza 1218 1400x800
Sherry Yates Young/Shutterstock

No perfil Pediatria Simplificada no Instagram, a pediatra Dra. Renata Rocha D'Elia Timani explica que a cada ano a vacina é diferente, já que é baseada na cepa do vírus com maior probabilidade de circulação. No postinho, a versão encontrada é a trivalente, que protege contra 3 tipos de vírus, Influenza A/H1N1, influenza A/H3N2 e um tipo de influenza B.

Já na rede particular é possível encontrar a vacina tetralavente, que além de imunizar contra os vírus Influenza A/H1N1 e influenza A/H3N2 também engloba dois tipos de influenza B.

vacina bebe 0518 1400x800
REDPIXEL.PL/Shutterstock

“A vacina é segura e não causa gripe porque usa o vírus inativado (morto) sem a capacidade de causar doença. Mas pode trazer reações como dores no local da aplicação, febre baixa, dor muscular, dor de cabeça e mal-estar”, afirmou no post nas redes sociais.

Como se prevenir do vírus influenza

A vacina é indicada para crianças a partir dos seis meses de idade: na primeira vez, os pequenos de até 9 anos recebem duas doses, com intervalo de um mês entre elas. Depois disso, a imunização é feita em dose única e anualmente.

crianca gripe resfriado 1218 1400x800
mamaza/shutterstock

Além da vacina, existem outras formas simples de prevenir a gripe, que é transmitida por meio de secreções das vias respiratórias, eliminadas pelo indivíduo contaminado ao falar ou tossir. O contágio também pode ser feito pelas mãos, quando entram em contato com objetos infectados e, posteriormente, são levadas às mucosas como boca, olhos e nariz.

O Ministério da Saúde orienta para alguns cuidados básicos como lavar as mãos várias vezes ao dia, cobrir o nariz e a boca ao respirar, não compartilhar objetos de uso pessoal e evitar ambientes com aglomeração de pessoas como forma de prevenir a transmissão do vírus influenza.

Doenças em crianças