É arriscado engravidar de novo pouco tempo após o parto, como Patricia Abravanel?

Patricia Abravanel está grávida pela terceira vez! O anúncio foi feito recentemente através de lindas imagens publicadas em seu próprio perfil no Instagram.

A apresentadora espera um menininho, fruto de seu relacionamento com o deputado Fábio Faria, assim como os pequenos Pedro, de quatro aninhos, e Jane, de apenas dez meses.

A filha de Silvio Santos revelou ter concebido o novo herdeiro quando sua até então filha caçula tinha seis meses de vida. Mas afinal, é arriscado engravidar novamente em um curto período após o parto? Entenda:

Quanto tempo após o parto pode engravidar outra vez?

Além de Patricia, outras celebridades já impressionaram anteriormente ao engravidar novamente pouco tempo após terem dado à luz: Thais Fersoza, por exemplo, também ficou grávida de Teodoro quando Melinda completou seis meses, já Andressa Suita concebeu Samuel sete meses após o nascimento o primogênito Gabriel.

Entretanto, apesar do corpo da mulher conseguir fisiologicamente gestar um feto poucos meses após o nascimento do mais velho, existem riscos. No pós-parto, a mamãe passa pelo período conhecido como resguardo ou quarentena, no qual além de se dedicar aos cuidados pessoais e ao bebê, ela se recupera das transformações ocasionadas pela gestação.

De acordo com o médico e ginecologista Dr. Alberto Jorge Guimarães, o ideal é que o intervalo entre uma gravidez e outra seja de, no mínimo, 18 meses, visto que nesse período acontecem uma série de mudanças no corpo da mulher, dentre elas as hormonais, nas articulações, entre outras, o que exige um determinado tempo para recuperar seu funcionamento anterior.

Riscos da gravidez no resguardo

Ainda segundo o especialista, quando o intervalo entre duas gestações é menor que o recomendado, a mãe e o feto correm riscos.

Dentre eles estão as possibilidades de restrição no crescimento fetal, diante da qual o bebê pode apresentar dificuldades para ganhar peso ainda na barriga, e a prematuridade, que apesar de ainda não se saber exatamente a sua causa, a observação clínica aponta que esse risco só diminui após o período de 18 meses de espera.

As gestantes nestes quadros possuem chances reduzidas de terem um parto normal, principalmente se o seu parto anterior for uma cesárea, pois há um risco maior de ruptura uterina, visto que a cicatriz da cirurgia é recente e pode romper.

Diante disso, recomenda-se que as mulheres busquem orientação médica antes de engravidar novamente e que mantenham o pré-natal em dia durante as gestações.

Cuidados na gravidez