Pode engravidar mais cedo se o parto anterior foi normal? E em caso de cesárea?

View this post on Instagram

👪

A post shared by Andressa Suita (@andressasuita) on

Andressa Suita está esperando o segundo filho com o cantor Gusttavo Lima e a revelação da grande novidade foi feita justamente quando ela completou 30 anos, no dia 20 de janeiro de 2018, através de um post no Instagram.

“Não somos mais 3, agora somos 4... Sim, grávidos! O coração transborda novamente de alegria a espera de mais um bebê! Meu maior presente no dia de hoje. Será com certeza meu melhor aniversário! Obrigada, meu amor! Te amo”, escreveu a modelo em sua página.

Além da coincidência com a data de seu aniversário, outra questão que chamou atenção no anúncio da gravidez diz respeito diretamente ao primogênito do casal, Gabriel. O motivo? É que a nova gestação da mamãe se tornou pública pouco antes de o garotinho completar sete meses de vida.

Quanto tempo depois do parto pode engravidar novamente?

Mulheres que planejaram ou estão planejando uma nova gravidez provavelmente já ouviram de médicos e especialistas que existe um período mínimo indicado para ter outro bebê. Esse intervalo adequado, aliás, ainda gera muitas dúvidas entre as pessoas que estão planejando aumentar a família e o que muita gente não sabe é que ele pode variar de acordo com o tipo de parto que a mãe teve anteriormente.

De acordo com a ginecologista e obstetra Maria Elisa Noriler, de São Paulo, o tempo mínimo ideal entre um nascimento e outro são 18 meses. Isso significa que as mulheres podem começar a tentar engravidar novamente quando seus filhos estão com nove meses de idade. 

mae filho gravida dois segunda gravidez gestacao 03
Alan Poulson Photography / Shutterstock

“Emocionalmente e fisiologicamente, a mulher não deve engravidar de novo antes de completar nove meses após dar à luz. Hoje em dia, são menos comuns os casos de quem engravida fora desse prazo, mas pode acontecer. O ideal é esperar um tempo para que o corpo volte ao normal”, afirma.

Durante a gravidez, o organismo feminino passa por uma série de mudanças hormonais, físicas e até mesmo psicológicas. Outros efeitos são sentidos pela mulher após o nascimento do bebê, no período conhecido como “resguardo”, que vão desde o estresse relacionado à adaptação com o recém-nascido à impossibilidade de manter relações sexuais - seja por conta de dores ou pelas alterações naturais na disposição e na libido.

Gravidez após parto normal e cesárea

Apesar de a regra dos 18 meses valer para todas as mulheres, a médica explica que há uma diferença essencial entre aquelas que tiveram parto natural e as que se submeteram a uma cesárea anteriormente. 

No caso de quem passou por uma cirurgia, o período de um ano e meio é fundamental para que haja a cicatrização total do útero. Se o prazo não for respeitado, a mulher corre o sério risco de ter uma ruptura uterina. É por este motivo, inclusive, que os médicos optam por realizar uma nova cesariana no parto seguinte. 

cicatriz cesarea queloide 1016 1400x800
WEERACHAT/Shutterstock

Por outro lado, aquelas que tiveram um parto normal na gravidez anterior, como foi o caso de Andressa Suita, têm mais chances de não precisarem de uma cirurgia no próximo nascimento. Sem contar que a probabilidade de conseguirem engravidar antes dos 18 meses é maior, já que a recuperação física do corpo é mais rápida e menos dolorida.

Riscos de emendar uma gravidez na outra

Independentemente do tipo de parto anterior, a médica esclarece que o tempo mínimo ideal para se engravidar com segurança está mesmo ligado à parte hormonal das mulheres. Quando a gravidez acontece em um intervalo menor que o recomendado, alguns riscos são esperados tanto para as mães quanto para os bebês.

O principal e mais grave deles é o trabalho de parto prematuro, além de problemas como baixo peso gestacional, oligoamnio (redução do líquido amniótico que protege o feto), aborto espontâneo e depressão pós-parto, muitas vezes causada pelo estresse de lidar com dois ou mais bebês em casa.

parto casal unido 0617 1400x800
Leonardo da/Shutterstock

“Se a paciente teve alguma patologia anterior, como diabetes ou hipertensão gestacional, ela tem chances de desenvolver esses problemas novamente. Caso a gestante tenha anemia, isso também pode evoluir durante a gravidez”, acrescenta a Dra Maria Elisa Noriler.

Embora o corpo da mulher possa fisiologicamente abrigar um feto poucos meses depois do nascimento do anterior, o ideal é sempre buscar orientação junto a um médico ou especialista antes de programar o próximo filho. 

Cuidados antes de engravidar