mulher

Ju Romano conta como conseguiu aceitar o próprio corpo e se achar bonita e segura

Ju Romano é blogueira e foi a primeira mulher gorda a estrelar um ensaio na Playboy brasileira, em 2016. Na época, Ju afirmou que as fotos mostrariam suas gordurinhas e celulite de forma real e que teriam pouquíssima edição de imagem.

Em entrevista ao Vix, a blogueira contou que, apesar de não se ver como uma “mulher Playboy”, aceitou o convite para fazer o ensaio sensual porque considera importante que as mulheres gordas estejam em todos os lugares. “Normalmente, a gorda não é colocada como desejável na mídia.”

Porém, ao contrário do que parece, ela nem sempre teve essa autoestima e confiança e, assim como a grande maioria das mulheres gordas, já sofreu muito para tentar se enquadrar em um padrão que não era dela.

Como se aceitar fisicamente

De acordo com a blogueira de 27 anos, a autoestima que ela tem hoje só foi possível graças à terapia.

“Dos 12 anos, quando eu me vi socialmente diferente, até os 19, quando eu fui fazer terapia, eu me sentia muito diferente e eu tinha uma postura muito agressiva em relação a isso”, conta.“Me sentia muito mal, fazia 550 mil regimes, tive um monte de distúrbios alimentares. Achava que, para me encaixar na moda, eu tinha que ser magra, alta e eu nunca vou ser magra e alta, não faz parte do meu biotipo, então eu sofri muito”, relembra.

Terapia ajudou a ganhar autoestima

Apesar de tudo isso, não foi o complexo com o peso que a fez buscar um psicólogo. “Fui para a terapia para me livrar de um relacionamento ruim, e a gente acabou tratando a questão de autoestima. Foi aí que eu descobri que você não tem que agradar os outros, você tem que agradar a si mesma e ser feliz com o que você é”, revela sobre o aprendizado.

Para as pessoas que têm problema com autoestima, Ju faz questão de mandar um recado: aceitar-se é um exercício diário.

“A autoaceitação e o amor próprio são coisas diárias. Faz dez anos que eu fui para a terapia, mas todos os dias você tem que acordar e se enxergar bonita. Não é algo que é resolvido da noite para o dia e para o resto da vida, você tem que se olhar e se enxergar com outros olhos diariamente”, aconselha.

Ajuda psicológica através da internet

Além de ajudar outras pessoas com o seu blog, Ju afirma que também foi ajudada, porque passou a conversar com pessoas que compartilham dos mesmos dramas e passam pelas mesmas dificuldades que ela.

“Você vê que muita gente passa pela mesma coisa que você, muita gente que você olha e fala: ‘Mas esta menina é incrível, como ela não se acha incrível?’. Com isso, você para e pensa: ‘Será que eu também sou incrível e eu não me enxergo incrível?’”, comenta.

Autoestima das mulheres gordas