mulher

Samara Felippo relata racismo contra filha na escola: “Precisa aprender que é crime”

Recentemente, durante uma live, Samara Felippo relatou uma situação enfurecedora vivida por sua filha mais nova, Lara, na escola. Conforme contou a ex-atriz, apesar de Lara ter relutado um pouco em falar sobre o que aconteceu, ela eventualmente desabafou com Samara – e, ao contar que a filha fora chamada de “negrinha chata” por um colega de sala, ela trouxe diversas lições, bem como falas dolorosas sobre o que sentiu como mãe.

Samara Felippo relata racismo contra filha na escola

Mãe de duas meninas negras, Samara Felippo recentemente viu a filha mais nova passar por uma situação bastante delicada. Conforme contou em uma live realizada no Instagram nos últimos dias, Lara desabafou com ela sobre uma ofensa racista que ouviu na própria escola onde estuda – e, em seu relato, fica claro como o racismo é algo presente mesmo em meio a tantas conversas sobre desconstrução.

“A Lara veio me relatando que um amiguinho chamou ela de ‘neguinha chata’. Falou: ‘Ah, sua negrinha chata’. Ela veio me contar isso acho que uma semana depois do ocorrido”, disse Samara às demais participantes da live, a autora Thainá Briggs e a educadora Carolinie Figueiredo. Na sequência, ela contou como reagiu, demonstrando preocupação especialmente na possível repetição da atitude do garoto.

“Me deu uma taquicardia momentânea e eu falei: ‘Filha, está tudo bem? Como você recebeu isso? Você tem que falar com a professora na hora’. O menino branco que falou não pode repetir isso e precisa aprender que é crime. Falei: ‘Fala para ele que se ele não pagar, os pais vão pagar’”, disse Samara, que enviou um e-mail à escola questionando qual seria a atitude da instituição diante disso.

Em seguida, ela desabafou sobre o quão infrutífera a luta parece ser. “Cara, como é que a gente vai começar a ter uma resposta positiva da sociedade se esse menino branco chega na escola – que se diz inclusive, antirracista –, mas em casa os pais são uns imbecis? Ele vai repetir, reproduzir o que esses pais estão falando. Crianças como minha filha e tantas crianças pretas que deixam de ir para a escola, que são feridas nessa primeira infância, atravessadas pelo racismo, têm isso pelo resto da vida”, disse.

Por fim, ela deixou claro que, apesar da preocupação com a filha e da tristeza em saber sobre o ocorrido, Samara se orgulha da atitude que a menina tem diante desse tipo de coisa. “Ela é forte, sabe? Falei: ‘Você está bem, meu amor? Está tudo bem? Você se ofendeu, se humilhou?’. E ela: ‘Não, mamãe, só fiquei com vergonha de falar na hora’. Falei: ‘Você precisa falar na hora’. É importante não só para o corpo docente ter capacidade de lidar com uma situação racista como esse menino aprender”, concluiu.

Assista à live na íntegra:

Racismo