explore

Douglas Souza relata homofobia na Europa e diz ter medo de contar e ser deportado

dougls sousa 09 21 1400 1500
Toru Hanai/Getty Images

Depois de participar dos Jogos Olímpicos de Tóquio, o jogador de vôlei Douglas Souza está indo morar na Itália e contou que ele e o namorado foram vítimas de homofobia em um aeroporto europeu.

O ponteira da Seleção Brasileira postou um vídeo nas redes sociais para desabafar sobre o caso, mas disse que ficou com medo de expor a situação e ser deportado. Entenda.

Douglas Souza desabafa sobre homofobia

Depois de jogar pela Seleção Brasileira masculina de vôlei nas Olimpíadas de Tóquio, Douglas Souza foi contratado para atuar no time italiano Tonno Callipo Volley, da cidade de Vibo.

O jogador, que viajou na última terça-feira (7) para a cidade de Vibo, usou os Stories do Instagram para contar que ele e o namorado, Gabriel Campos, sofreram ataques homofóbicos em um aeroporto europeu.

Visivelmente abalado com a situação, ele disse: "Hoje é um dos piores dias da minha vida. Foi horrível, está sendo horrível".

Entretanto, Douglas ficou com receio de expor a situação: "Eu só não vou contar tudo o que aconteceu hoje, porque tenho medo de eles tiraram minha passagem e me deportarem e eu não vou conseguir chegar na Itália. Puro preconceito, homofobia, foi horrível, vocês não têm noção. Eu vou contar sim, porque eu não mereço isso, ninguém merece isso", continuou o atleta.

Douglas chegou em Vibo na manha desta quarta-feira (8). De acordo com o jogador, ele saiu do Brasil na segunda-feira (6), à noite, e só chegou à cidade italiana hoje. "Era para ter sido uma viagem muito mais tranquila do que foi".

Agora que se instalou em seu novo apartamento, o atleta decidiu relatar o que aconteceu durante a viagem. Segundo Douglas, ele e o namorado saíram de São Paulo para Amsterdã, capital holandesa, e foi lá que tudo aconteceu.

Quando chegou ao aeroporto de Amsterdã, Douglas passou pela imigração e estava sendo muito bem tratado pelo atendente, até dizer que Gabriel era seu namorado e iria morar junto com ele na Itália.

"Quando eu falei para ele que ele era meu namorado, a fisionomia dele já mudou na hora e o tratamento também. Aí ele perguntou o que o Gabriel iria fazer lá e eu falei que nós tínhamos um documento de união estável e que ele iria me acompanhar e trabalhar lá", disse.

O atleta disse que ele e Gabriel deveriam esperar apenas três horas para pegar um voo para Roma, mas o casal acabou ficando 15 horas no aeroporto.

"O cara largou a gente ali durante umas cinco horas e não dava nenhum tipo de explicação. [...] Depois disso me levaram para uma salinha de entrevista e começaram a bater novamente na tecla de quem era o Gabriel. Eu tentava explicar que era meu namorado, mas eles tinham muita dificuldade de entender esse termo, para eles era companheiro. Eles não falavam de jeito nenhum namorado e a gente tinha o documento de união estável e eles insistiam no companheiro. E aí não queriam deixar de jeito nenhum o Gabi passar. Perguntaram se ligassem para o meu clube, se eles sabiam que o Gabi ia morar comigo e se estava tudo bem essa situação", continuou o jogador.

Mesmo após essa entrevista, Douglas contou que ele e Gabriel ainda ficaram mais algumas horas aguardando a resposta da imigração:

"A gente ficou literalmente o dia inteiro sentado esperando. Aí, quando deu 11 horas da noite, que o aeroporto já tinha fechado, que não tinha mais voo para Roma, eles liberaram a gente e aí a gente teve que dormir no aeroporto, porque a gente teve que passar pela imigração e aí não tinha mais como ir para um hotel, a gente teve que ficar literalmente jogado ali no chão até sete horas da manhã, que era o próximo voo para Roma".

Para Douglas, a situação foi bastante humilhante, já que ele sentiu que estava sendo vítima de preconceito por ser homossexual e disse que, se não estivesse viajando a trabalho, teria voltado para o Brasil.

"Foi o que eu senti, foi muito difícil porque a gente se sente fragilizado, porque a gente não podia fazer nada, era contra a polícia, se a gente falasse alguma coisa, se a gente se exaltasse, poderia dar problema para a gente e eu nem estaria aqui hoje. Se eu não tivesse vindo a trabalho, se fosse a turismo, com certeza eu nem estaria aqui, eu já teria voltado para casa", finalizou.

Famosos que já sofreram homofobia