mulher

Mãe de Douglas Souza tem o maior orgulho da sexualidade e representatividade do filho

Nos últimos dias, o jogador de vôlei Douglas Souza, da seleção brasileira, tomou a web ao demonstrar sua personalidade irreverente e divertida durante os Jogos Olímpicos de Tóquio. Antes de ser um fenômeno nas redes sociais, porém, Douglas já era um ídolo para a mãe, Elizangela Salles – que, tanto no Instagram quanto em entrevistas, nunca deixa de demonstrar o orgulho que te do filho e da sexualidade dele.

Mãe de Douglas Souza é fã número um do filho

Ao chegar nos Jogos Olímpicos de Tóquio recentemente, o jogador Douglas Souza, da seleção brasileira masculina de vôlei, ganhou as redes sociais e viu seu número de seguidores quadruplicar ao mostrar bastidores hilários do evento. O apoio, no entanto, é algo que ele já conhecia de casa, já que a mãe do atleta, Elizangela, não só se orgulha dele como também o defende com unhas de dentes.

Ex-esteticista, Elizangela hoje é responsável por gerir a carreira do filho e, em seu perfil no Instagram, nunca poupou elogios a ele. Logo antes da ida do atleta para Tóquio, por exemplo, ela fez uma linda homenagem a ele, exaltando o fato de ele ser um exemplo de representatividade LGBTQIA+ no esporte.

“Você é mais que um jogador, veio para ser exemplo a outros atletas e mostrar que pode sim ser respeitado e admirado por todos... Sua luz vai brilhar por onde passa!”, escreveu ela na postagem, acompanhando a fala com um emoji de arco-íris, símbolo da comunidade.

Com um perfil cheio de fotos na companhia do filho e declarações dedicadas a ele, Elizangela também falou recentemente de forma bem direta sobre a aceitação da sexualidade de Douglas. Ao veículo “Extra”, por exemplo, ela recentemente comentou que foi durante os Jogos de 2016 – onde o jogador permaneceu no banco – que eles falaram sobre o assunto pela primeira vez em uma conversa que o deixou confiante quanto à questão.

“Ele não tinha me contado ainda, mas sou mãe, já sabia. Quando percebi os ataques [homofóbicos] e o vi muito tristonho, escrevi para ele, dizendo que era para se jogar, se divertir, pois não sabia se era a primeira e última Olimpíada. Que o fato de ser gay não diminuiria todo o sacrifício que ele fez para estar onde estava e que não fazia a menor diferença para mim. Depois disso, ele abriu um sorrisão”, disse ela.

Segundo ela, até a relação de Douglas com os pais melhorou depois disso. “Meu marido também é superaberto. Jamais seria um problema para nós dois. Pelo contrário. Acho que passamos a dar ainda mais apoio”, afirma ela que, apesar de extremamente orgulhosa do filho, fica apreensiva pela possibilidade de novos ataques homofóbico diante da exposição dele na web – e está pronta para defendê-lo.

“A única coisa que me faz sair do sério é ver as pessoas atacarem meu filho por ser gay. Se ele fica no banco ou o time perde, tem sempre um para fazer uma piadinha. Nunca foi fácil para ele. Na verdade, é duas vezes mais difícil. Ele está entre os doze que foram convocados. É o único que representa a comunidade LGBT ali. Não é fácil. Então, quando vejo alguém ofendendo, dou umas xingadas. Douglas não gosta que eu faça isso, mas sou mãe, né?”, concluiu.

Inspiração