mulher

Atriz de "50 tons" teve ataque de pânico diante das câmeras ao gravar novo filme

anastasia 50 tons de cinza 0119 1400x800
© 2014 - Universal Pictures

Conhecida especialmente por estrelar a saga “Cinquenta Tons de Cinza”, a atriz norte-americana Dakota Johnson está de volta às telonas no novo longa “Our Friend” – e, em entrevistas recentes, ela contou que a experiência de atuar nele foi um tanto desafiadora, já que, ao gravar uma cena na qual aparece cantando diante das câmeras pela primeira vez, ela teve um ataque de pânico.

Dakota Johnson relata ataque de pânico em gravação

Convidada do “The Tonight Show”, programa de televisão norte-americano, Dakota Johnson comentou sobre as gravações de “Our Friend” e, questionada pelo apresentador Jimmy Fallon sobre como foi cantar na frente das câmeras – algo que ela nunca havia feito antes –, a atriz confessou ter passado por uma experiência bastante incômoda na ocasião.

dakota johnson 1 0121 1400x800
Amy Sussman/Equipe/Getty Images

Segundo a atriz, tudo começou com o fato de ela ter medo de palco. “Quando eu vou ao seu programa, fico realmente nervosa, eu rio e choro a maior parte do tempo. Chorei algumas vezes. E tudo bem, estou acostumada com isso a essa altura, mas cantar diante de pessoas é muito aterrorizante para mim”, explicou Dakota, afirmando que o ataque de pânico aconteceu após a cena começar a ser gravada.

dakota johnson 2 0121 1400x800
Brian de Rivera Simon/Correspondente/Getty Images

“Você quase nem me vê, as câmeras estavam no fundo da casa, você nem consegue dizer o que está acontecendo e era para eu estar me apresentando em um teatro comunitário. Eles colocaram o playback da minha voz, disseram ‘ação’ e… Eu tive um ataque de pânico que se manifestou de todas as formas que ele poderia [se manifestar]”, disse a atriz, descrevendo o ataque.

“Eu apenas saí correndo. Correndo! Em torno do teatro, nos bastidores, eu estava correndo para todo canto, comecei a rir histericamente, e todo mundo da minha equipe ficou: ‘O que ela está fazendo?’ Correndo, comecei a rir, aí parei de me mexer e comecei a chorar. Eu fiquei muito assustada, foi um modo de fuga extremo”, afirmou.

Assista à entrevista na íntegra:

Saúde mental