explore

Conheça a parábola budista que nos ensina a ignorar para ser feliz

mulher liberdade vento praia felicidade 0820 1400x800
Zolotarevs/Shutterstock

Quando alguém nos magoa com palavras ou atitudes, invariavelmente sentimos dor, tristeza e angústia. Nós até podemos acusar essa pessoa de egoísta ou injusta por não pensar em nossos sentimentos.

No entanto, ignoramos o fato de que as sensações ruins podem ser resultado de uma escolha. Ou seja: podemos optar por assimilar ou não o que foi dito ou feito.

Aprender a ignorar para ser feliz

Sofiaworld / Shutterstock

Temos a possibilidade de culpar o outro pela dor que sentimos - humilhação, raiva ou qualquer sentimento que nos aflige - ou podemos ignorar as falas e os atos para manter a nossa integridade. Visto dessa forma, em questão de segundos temos a liberdade de escolher entre a dor e o bem-estar, a raiva e a gratidão. E uma parábola budista explica bem a ideia com essa bela história:

Em uma ocasião. um homem se aproximou de Buda e, sem dizer uma palavra, cuspiu em seu rosto. Seus discípulos ficaram furiosos. Seu seguidor mais próximo disse: "Dê-me permissão para dar a este homem o que ele merece!".

felicidade alegria ceu 0920 1400x800
Aleksandr Markin/Shutterstock

Buda limpou o rosto calmamente e respondeu: "Não. Eu vou falar com ele".

Juntando as palmas das mãos em reverência, disse ao homem: "Obrigado. Com o seu gesto, você me permitiu verificar que a raiva me deixou. Estou tremendamente grato a você. Seu gesto também mostrou que os outros discípulos ainda podem estar cheios de raiva. Muito obrigado! Estamos muito gratos a você!"

Obviamente, o homem não podia acreditar no que estava ouvindo, ficou chocado e com vergonha.

gratidao agradecer meditacao 0719 1400x800
Kristina Kokhanova/Shutterstock

O fato de ignorar costuma carregar uma conotação negativa, quando pode perfeitamente ser visto como uma oportunidade de focar em nós mesmos e perceber que o ato do outro diz muito sobre o que o outro está sentindo, e que a decisão é nossa.

Esta parábola também nos convida a refletir sobre a gratidão.

Na verdade, sentir-se magoado é uma forma de ver o que está acontecendo conosco, o que outra pessoa nos faz ou nos diz também pode ser visto como uma oportunidade de agradecer por aprenderem a se conhecer mais: por que me sinto assim? Quero ser bom ou mau? Por que escolho me sentir mal? O que estou pensando para me sentir mal? E se eu mudar de ideia?

autoestima espelho natureza 0818 1400x800
DimaBerlin/shutterstock

Autoestima e amor próprio

Matéria traduzida do original de VIX espanhol, do autor Noelia Farias.