Casa onde Domingos Montagner viveu se tornará centro cultural: veja como vai ficar

domingos montagner rosto 0916 1400x800
Marcello Sa Barretto/AgNews

A casa onde viveu o ator Domingos Montagner, morto em 2016, se tornará um centro cultural. A iniciativa é do Instituto DOM, uma associação que tem a participação da viúva do artista, Luciana Lima. A proposta é oferecer cursos e apresentações de teatro e circo para jovens em situação de vulnerabilidade.

domingos montagner esposa 1116 1400x800
João Miguel Júnior/Globo

Como funcionará a Casa Domingos Montagner

O projeto foi inspirado pela trajetória de Domingos como palhaço e educador. Apesar de ter ganhado fama ao se tornar ator de novelas e filmes, ele já tinha uma carreira consolidada como artista circense.

Junto com Fernando Sampaio, seu parceiro nas apresentações, ele fundou a La Mínima, companhia de circo e teatro. Fernando, inclusive, é uma das pessoas agora responsáveis pelo Instituto DOM.

A casa terá uma exposição permanente para mostrar a trajetória de Domingos Montagner, laboratório de cenografia, figurino e impressão 3D, sala para aulas de teatro, acrobacia e palhaçaria e sala de espetáculo, além de outros espaços. É possível ver uma prévia em um vídeo de simulação (veja abaixo):

Os cursos também serão ministrados em escolas públicas, em horário complementar. De acordo com o site do projeto, o propósito não é a formação de artistas, mas sim “facilitar a autonomia na busca de conhecimento, a capacidade de trabalhar em grupo e de cuidar do coletivo, entre muitas outras habilidades (...)”.

Para arrecadar fundos para a iniciativa, está sendo feita uma campanha de financiamento coletivo. A meta inicial, de R$ 293 mil, vai custear cursos para cinco escolas públicas do bairro do Tatuapé, em São Paulo, onde está localizada a casa.

Também entram no valor atividades culturais gratuitas que serão realizadas na rua da casa por cinco domingos, além das despesas com impostos, mão de obra e divulgação. Depois, a ideia é seguir com outras metas para que o centro cultural fique pronto.

Legado de Domingos Montagner