"Deu vontade de beijar": psicólogas alertam sobre fala de ator expulso de "A Fazenda"

phellipe haagensen 0919 1400x821
afazendarecord/Twitter

A expulsão de Phellipe Haagensen de “A Fazenda 11” após um beijo forçado na colega de confinamento Hariany Almeida foi muito comemorada nas redes sociais, mas o sentimento de justiça logo foi substituído por revolta diante da "justificativa" problemática que o ator deu ao ser comunicado de seu desligamento.

Além de responsabilizar o álcool por seu comportamento, Phellipe se recusou a admitir o assédio, caracterizando-o como "carinho" e reproduzindo outros discursos que, conforme analisaram psicólogas consultadas pelo VIX, reforçam a cultura do abuso sexual e sua normalização.

Expulsão de Phellipe Haagensen de reality show

phellipe haagensen beijo hariany a fazenda 0919 1400x800
Reprodução/PlayPlus

No final de semana, uma briga entre Phellipe e Hariany Almeida foi um dos destaques da nova edição de “A Fazenda”.

A discussão entre os participantes ficou no centro das atenções do público pela atitude do então peão durante a discussão com a companheira de casa.

Enquanto argumentava contra Hariany, Phellipe projetou seu corpo contra o da modelo e deu um beijo em sua boca sem consentimento.

O gesto do ator gerou uma onda de revolta do público, uma denúncia formal da vítima à produção do programa e, após pressão popular nas redes sociais, a expulsão do ator do reality show.

Justificativa de Phellipe para beijo sem consentimento

phellipe haagensen a fazenda 0919 1400x800
Reprodução/Record

Quando Phellipe foi expulso, a reação dos participantes que permaneceram na casa foi exibida ao público, mas não se sabia até então o que havia acontecido com o ator.

Algumas horas depois, a Record revelou como reagiu Phellipe à notícia de sua expulsão. Ao saber que estaria fora do jogo, o artista tentou justificar sua atitude com argumentos problemáticos.

“O álcool me excedeu um pouco essa atitude de beijá-la, mas assumo meu erro como homem. Acho que me precipitei, sim. Sou um cara muito mulherengo, estava carente e me deu vontade de beijar. Uma hora eu iria estar fora da regra. Porque é um jogo que você tem que cumprir regras. Saí por carinho, tenho certeza.”

Por que justificativa usada por Phellipe é problemática

phellipe haagensen hariany a fazenda 0919 1400x800
Reprodução/PlayPlus

Em conversa com o VIX, as psicólogas Marilene Kehdi e Claudia Puntel explicam as muitas partes problemáticas da curta justificativa usada por Phellipe e por que elas expõem como o machismo ainda está presente na relação entre homem e mulher.

Álcool como justificativa de assédio

alcoolismo alcool dependencia quimica 11
LOvE lOvE / Shutterstock

Um dos argumentos levantados por Phellipe é o de que a ingestão de bebida alcoólica teria contribuído para sua atitudes. Esse tipo de justificativa, para as especialistas, não pode ser usada para comportamentos abusivos com o do ator.

“Homens violentos são violentos com álcool ou sem álcool. Ele bate de caso pensado. Não se pode invadir a liberdade do outro justificando com a bebida. Nada justifica”, afirma Marilene.

Claudia adiciona também a análise de que culpar o álcool é uma forma "socialmente aceita" de uma pessoa não assumir a responsabilidade por ser abusivo. “Seja um abuso por usar o álcool ou por, através do álcool, realizar ações abusivas”, diz Claudia.

Carência não justifica assédio

estres cansancio tristeza
Photo by Christian Erfurt on Unsplash

Phellipe afirmou que, no momento da discussão, estava carente e “deu vontade de beijar”. A carência, como argumentou o ex-participante, não deve ser vista como prerrogativa para que atos abusivos como o seu sejam postos em prática e o mal a um terceiro, realizado.

Marilene expõe a lógica machista por trás deste discurso, que coloca a mulher como propriedade do homem e submissa a ele, de forma que, se ele sente desejo, é obrigação dela satisfazê-lo. "Muitas mulheres sofrem abusos por parte de homens por eles acharem que são donos delas. A carência é assunto para ser elaborado na psicoterapia, mas jamais pode ser usada como justificativa para invadir o espaço da mulher", diz.

Carinho é diferente de assédio

abuso mulher 1400x800
Antonio Guillem/Shutterstock

Em sua visão, o que Phellipe fez se tratou de um gesto de carinho, e não de violência.

Segundo as psicólogas, um ato que pode ser lido como expressão de afeto em alguns contextos - tal qual o beijo - perde este caráter quando é realizado sem autorização e de maneira forçada, imposta, adquirindo a condição de abuso, já que viola a liberdade e direito do outro.

"É tentar colocar a mulher numa posição de submissa, e isso ocorre porque esses homens têm uma ausência de limite, de autoestima", expõe Claudia.

Violência contra a mulher