Pai de menina que precisou amputar pé tatua prótese na perna: "Ficar igual a ela"

tulio4 1400x1750 0819
Gentileza de Túlio Catelani

Quando Valentina, filha do comerciante Túlio Catelani, nasceu, foi uma surpresa descobrir que a menina tinha uma malformação congênita. Por causa desse problema, a pequena, que hoje tem cinco anos, usa uma prótese na parte inferior da perna direita. O pai, de 34 anos, decidiu fazer uma tatuagem para homenagear a filha, ficando igual a ela.

A história de Valentina

Túlio, que vive com a família em Cordeiro, Região Serrana do Rio, conta que nem mesmo os aparelhos mais sofisticados conseguiram detectar a malformação do bebê: “Fizemos um ultrassom 4D, estava tudo certo”.

Quando a esposa deu à luz, os médicos falaram que Valentina não tinha a fíbula direita, um dos ossos da parte inferior da perna.

Já no primeiro mês de vida, os pais foram atrás de tratamento para a filha. A melhor opção, de acordo com os especialistas, era fazer uma amputação de parte do pé e usar uma prótese.

Com pouco mais de um ano, a pequena fez a cirurgia de amputação. Cerca de 40 dias depois, com boa cicatrização e recuperação, começou a usar a prótese, que cobre parte da perna e do pé. “Uma semana depois ela já começou a andar”, relata o pai.

Como surgiu a ideia da tatuagem

Quando Valentina foi trocar a prótese pela primeira vez, aos dois anos, os pais descobriram que a peça poderia vir envolta por uma malha estampada. “Achei o desenho muito legal, me chamou muito a atenção. Parecia uma tatuagem”, relembra Túlio.

Foi aí que a ideia surgiu, mas o comerciante guardou a inspiração para quando a filha estivesse um pouco mais velha e entendesse melhor o que acontecia ao seu redor.

tulio 1400x100 0819
Gentileza de Túlio Catelani

O pai conta que a menina é muito esperta e não tem nenhum problema por causa da prótese: “Ela anda, brinca, faz tudo como os outros da idade dela fazem. Acha normal, fala sobre o assunto”.

Como qualquer criança, Valentina às vezes fica chateada: “De vez em quando perguntam o que ela tem, se está com a perna quebrada. Ela fica um pouco triste”, relata.

Túlio, que conversa bastante com a filha sobre o assunto, decidiu que aquela era a hora de levar o projeto da tatuagem em diante. “Fui pesquisando, conversei com o tatuador. Foi difícil, não tinha muita coisa na internet”, explica. Ele decidiu que queria tatuar a perna de um super-herói, até que chegou à armadura do Homem de Ferro no segundo filme.

tulio3 1400x1750 0819 0
Gentileza de Túlio Catelani

Reação da filha

Foram cinco sessões para chegar ao resultado final, começando em maio deste ano e terminando em junho. “Eu expliquei para a Valentina o que ia fazer, ela ficou super animada, adorou a ideia”, diz.

Antes mesmo de o desenho ficar pronto, ela fez questão de levar o pai até a escola para que os amiguinhos vissem a “prótese” do pai. “As crianças gostaram muito, fizeram festa. A Valentina é muito querida por todos lá”, diz Túlio, orgulhoso.

“Ela é uma baixinha muito iluminada, e essa foi a maneira que encontrei para ficar igual a ela”, finaliza.

tulio2 1400x1752 0819
Gentileza deTúlio Catelani

Mais sobre relação pai e filha