Após desabafo de espectadora, Taís Araújo dá aula sobre liberdade de usar o cabelo crespo

tais araujo altas horas 0819 1400x800
Globo/Fábio Rocha

Quem tem cabelos cacheados - especialmente pessoas negras, que naturalmente já são oprimidas - normalmente já viveu algum tipo de situação desagradável por não ter seus fios naturais culturalmente aceitos como bonitos em uma sociedade que valoriza padrões de beleza europeus: cabelos lisos, loiros, olhos claros e, claro, magreza. No “Encontro” (Rede Globo), recentemente, uma espectadora falou sobre isso, e Taís Araújo deu uma bela lição sobre como essa questão deveria ser vista.

Taís Araújo dá lição sobre dilema de alisar os cabelos

No programa, que recebeu tanto Taís quanto seu marido, o ator Lázaro Ramos, a apresentadora Fátima Bernardes questionou uma mulher de cabelos crespos na plateia sobre a relação que ela costumava ter com os fios, e a resposta foi bem triste. “Eu orava assim: ‘Deus, por favor, me dá cabelo liso quando eu acordar porque eu não aguento mais’”, explicou.

encontro moca cachos plateia 0819 1400x800
Reprodução/Rede Globo

Hoje, porém, ela se orgulha dos poderosos cachos, e diz querer transmitir isso. “Passo isso para a minha filha, como ela é maravilhosa com o crespo dela. Quero que essa geração seja assim, sempre maravilhosa, se assumindo, se reconhecendo”, explicou a moça, arrancando aplausos tanto da plateia quanto dos convidados do programa.

Com a palavra, Taís reconheceu que esta é uma vivência que muitas mulheres têm. “Muitas meninas alisavam os cabelos, as mães alisaram os cabelos. Muitas de nós nem sabíamos como éramos originalmente”, disse ela.

tais araujo encontro 0819 1400x800
Reprodução/Rede Globo

“Não é que seja obrigatório ter o cabelo crespo. O obrigatório seria a pessoa ter a chance de escolher. De olhar no espelho e falar: ‘Ah, realmente, eu não quero esse cabelo hoje, quero um cabelo liso’. Ok, alise seu cabelo, mas não como a obrigação de você seguir um padrão como se só aquele modelo fosse o aceitável ou possível”, disse, contando como é sua experiência com o assunto.

“Eu uso meu cabelo crespo há sei lá quantos anos, às vezes fico pensando: ‘Gente, acho que vou fazer uma escova nesse cabelo hoje’”, relatou, mostrando que é absolutamente normal variar o estilo dos fios - desde que por escolha própria, e não pela pressão estética das outras pessoas.

tais araujo encontro 2 0819 1400x800
Reprodução/Rede Globo

Autoaceitação