Jessica Costa desabafa sobre críticas que recebe por cicatriz no peito e explica o que é

Pouco a pouco, as pessoas estão cada vez mais cientes de que padrões de beleza são inalcançáveis e que é natural os corpos serem diferentes uns dos outros. Mesmo assim, ainda há aquelas que se veem no direito de criticar a aparência alheia - e foi sobre isso que Jéssica Beatriz Costa desabafou recentemente.

Em seu perfil no Instagram, a influencer e filha do cantor Leonardo comentou que recebe um bocado de julgamentos por uma marca que tem entre os seios e, ao revelar a história por trás dela, mostrou que a cicatriz é motivo de um orgulho enorme e não de vergonha.

Influencer conta por que ama sua cicatriz

Na rede social, Jéssica publicou duas fotos de quando era criança em que aparece com curativos e um grande corte na região peitoral. Segundo ela, foi esse corte que deu origem à cicatriz que ela carrega hoje, e a razão para ele existir é bem importante.

“Gente sabem aquela cicatriz ‘estranha’ que eu tenho entre meus seios? É a cicatriz de um problema cardíaco congênito. E sempre que eu leio algum comentário ruim sobre a minha cicatriz me magoa MUITO. Sabe pq? Pq eu vejo ela como uma cicatriz de um MILAGRE na minha vida!”, declarou.

View this post on Instagram

Gente sabem aquela cicatriz “estranha” que eu tenho entre meus seios? É a cicatriz de um problema cardíaco congênito. E sempre que eu leio algum comentário ruim sobre a minha cicatriz me magoa MUITO. Sabe pq? Pq eu vejo ela como uma cicatriz de um MILAGRE na minha vida! Que o meu Deus fez por mim. Então tenho ORGULHO de expor ela sim. E hoje, nesse exato momento (5:21 da manhã) eu não consigo dormir pq me magoa MUITO pensar que existem pessoas que não conseguem simplesmente aceitar as diferenças do ser humano. Então em um modo de desabafo eu venho pedir para vocês por favor pararem de julgar o outro sem saber a história real. Parem de apontar dedos principalmente nas redes sociais. Não falo só por mim não. Mas de todo mundo. Pessoas públicas ainda são SERES HUMANOS. E pessoas que escolheram não ser públicas também são. Então não ache que apontando o dedo para os outos vai ajudar. Não ajuda de nenhuma forma. Nunca ajuda. Eu também preciso melhorar e muito! Mas se eu escolhi trabalhar com a minha imagem, que seja para agregar na vida de quem me segue mas ler comentários de ódio gratuito não só no meu Instagram, mas no de várias pessoas tem me magoado TANTO que não consigo expressar aqui. Talvez se vocês olharem para essa menininha na foto, feliz por estar VIVA e neeeem ai para a cicatriz vocês consigam entender pq eu AMO ela. Vamos olhar mais para o outro e menos para nós? Juntos. Talvez assim o mundo fique melhor. Que Deus abençoe cada um que leu esse texto. ♥️🙏🏻

A post shared by Jéssica Beatriz Costa (@jessicabeatrizcosta) on

Conforme contou, a vontade de falar sobre o assunto veio justamente do fato de ela não se conformar com esse tipo de crítica. “Nesse exato momento (5:21 da manhã) eu não consigo dormir pq me magoa MUITO pensar que existem pessoas que não conseguem simplesmente aceitar as diferenças”, afirmou.

Seguindo o desabafo, ela pediu que as pessoas pensem duas vezes antes de fazer comentários maldosos sobre o corpo alheio. “Venho pedir para vocês por favor pararem de julgar o outro sem saber a história real. Parem de apontar dedos principalmente nas redes sociais”, disse ela.

Jéssica ressaltou ainda que não faz pedido apenas por ela. “Não falo só por mim não. Mas de todo mundo. Pessoas públicas ainda são SERES HUMANOS. E pessoas que escolheram não ser públicas também são. Então não ache que apontando o dedo para os outros vai ajudar. Nunca ajuda”, declarou.

Para concluir, ela lembrou o que sentiu na época em que fez a cirurgia, pedindo que as pessoas enxerguem a cicatriz de outra forma. “Talvez se vocês olharem para essa menininha na foto, feliz por estar VIVA e neeeem aí para a cicatriz vocês consigam entender por que eu AMO ela”, disse ela.

View this post on Instagram

🌺☀️🌴

A post shared by Jéssica Beatriz Costa (@jessicabeatrizcosta) on

Autoestima e autoaceitação