Todos se derreteram por Hugo e pelo texto lindo (e enorme) que Deborah fez para ele

View this post on Instagram

❤️ @hugomourag

A post shared by Deborah Secco (@dedesecco) on

Hugo Moura, marido de Deborah Secco, fez aniversário e, como era de se esperar, a atriz fez uma homenagem para o amado. Mas não foi qualquer dedicatória que a artista prestou ao companheiro.

Em seu Instagram, Deborah escreveu um longuíssimo texto para Hugo contando o quanto admira o marido, o quanto ele transformou seu jeito de enxergar o mundo e, claro, o amor que sente por ele. As palavras foram tão lindas que muita gente também ficou derretida por ele.

Texto de Deborah Secco para Hugo Moura

Na homenagem dedicada a Hugo, Deborah logo de cara reforça que, 365 dias após o último aniversário do ator, seu amor por ele continua intacto e ela explica o porquê.

“Hugo, tão difícil escrever e falar sobre ele sem cair no clichê. Ou então sem nos expormos desnecessariamente. Hugo, livre, artista, destemido, socialista, apaixonado, amigo, doce, sincero! (...) Hugo família, Hugo do mundo! Da liberdade”, começa a declaração da artista.

Na sequência, Deborah passa a falar de outros aspectos que fazem com que ela ame tanto o companheiro, como a coragem de ter abandonado uma antiga profissão de engenheiro civil para se dedicar àquilo que realmente lhe faz feliz - a atuação - e a humildade e simplicidade do amado.

View this post on Instagram

Aconchego! 💙

A post shared by Deborah Secco (@dedesecco) on

“Hugo já achou o seu lugar. Hugo não quer se promover, ele só quer viver. Hugo trabalha por amor, dá o que tem e recebe o que consegue. Acredita na troca humana. Nos abraços, nos olhares.”

No texto, Deborah também faz questão de ressaltar que o marido sabe valorizar a esposa, especialmente sua vida profissional, o que lhe desperta muito amor. Porém, também não deixa de comentar os defeitos do parceiro, já que nem tudo são flores.

“Mas Hugo também é a falta das coisas práticas, não sabe que dia é hoje, não usa o telefone e nem sabe o que fazer com aqueles impostos, nem como vai resolver tudo isso, essas suas faltas. Mas Hugo é tão Hugo que não se atormenta, ele sabe andar sem os pés no chão.”

View this post on Instagram

Nós! ❤️

A post shared by Deborah Secco (@dedesecco) on

Mais adiante, ela conta as coisas importantes que aprendeu com Hugo, desde política à sensibilidade pela questões sociais, e enumera os diversos talentos do pai de sua filha.

Por fim, declara todo seu amor pelo marido de forma emocionante: "Amo saber que no mundo existe alguém assim, do jeito que ele é. E saber que existe alguém que pensa e vive assim como ele já fez minha vida valer a pena.”

Reações ao texto de Déborah

A longa homenagem de Deborah para Hugo não passou em branco. O ator, ao ler a dedicatória para ele, respondeu à amada mostrando que o sentimento por ela é bem recíproco: "Te sou, Xé! Te sendo sempre!!". Ele não foi o único.

Fãs da atriz e do casal ficaram derretidos com o texto de Deborah e o envolvimento dos atores e desejaram muitas energias positivas a eles. Além disso, muitos não esconderam o quanto ambos se tornaram inspiração quando o assunto é relacionamento amoroso.

Leia a declaração na íntegra:

"365 dias depois e eu só consegui escrever que te amo e te sou ainda mais do que quando escrevi isso no ano passado. Hugo, Tão difícil escrever e falar sobre ele sem cair no clichê... Ou então sem nos expormos desnecessariamente. Hugo, Livre, artista, destemido, socialista, apaixonado, amigo, doce, sincero! Hugo baiano, brasileiro e o branco mais preto que já conheci. (Desculpa, Vinicius) Hugo família, Hugo do mundo! Da liberdade. Hugo, que abandonou a engenharia civil e descobriu na arte o seu lugar. Descobriu que só com a arte podemos mudar o mundo. Hugo, que se apaixonou por Amir Adadd e fez dele seu mestre. Do teatro de rua, sua casa. Tantos usariam nossa visibilidade pra se promover... para atingir algum lugar... mas Hugo já achou o seu lugar. Hugo não quer se promover, ele só quer viver. Hugo trabalha por amor, dá o que tem e recebe o que consegue. Acredita na troca humana. Nos abraços, nos olhares. Hugo, que me sacudiu e disse que eu, por ter o dom de atuar, tinha uma dívida de levar e espalhar conhecimentos para as pessoas. Hugo inquieto. Escreve, desenha, toca, estuda, conta. Hugo, o sorriso mais largo, o amigo íntimo imediato, a pessoa que sempre estará lá! Mas Hugo também é a falta das coisas práticas, não sabe que dia é hoje, não usa o telefone e nem sabe o que fazer com aqueles impostos, nem como vai resolver tudo isso, essas suas faltas. Mas Hugo é tão Hugo que não se atormenta, ele sabe andar sem os pés no chão. Me ensinou a ler, me falou de política, me fez acreditar que se não for pelos outros não vale a pena. Quis mudar minha rotina. Minha casa. Minha vida. Morar em um lugar menor. Ter cada vez menos. Não ter funcionários pra não sustentar em parte essa escravidão disfarçada. Quis fazer todos os projetos sociais, olhar as pessoas nos olhos, chamá-las pelo nome e enchê-las de amor, mesmo que à distância. Aprendeu acordeom, já tocava violão, e pôs a música lá em casa em primeiro lugar. Ele fala de amor, ele escreve sem parar. E o principal: escolheu me amar. Me ensinou que pra amar precisamos conhecer as florestas e o mar, mas também os abismos do viver. Descobriu comigo quem eu era e me fez descobri-lo também. Me aceitou, e até mais: me amou exatamente como eu sou. Com ele eu sou eu, tão eu, que às vezes nem me reconheço. E comigo ele é ele, tão ele, que às vezes não sabemos mais não sermos nós. Hugo é sem dúvida um dos melhores seres humanos com quem cruzei, ele é luz, amor. Hugo hoje é o meu maior professor. E como professor ele me conta o quanto ainda tem que aprender. Somos assim, os nossos olhos brilham quando se encontram, eles se admiram, eles se conhecem... Eles não se temem. Ele foi um presente que ganhei. E desde de que ele chegou eu entendi que se não existe admiração não existe amor. E eu amo o Hugo. Mas não amo como ‘meu’ marido ou ‘meu’ sei lá o que for... Eu amo saber que ele existe no mundo. Amo saber que seja lá onde ele estiver agora, ele sem dúvidas está fazendo algo pelo qual eu me encho de orgulho. Amo saber que ele conhece pessoas e que se deixa conhecer. E assim propaga essa forma tão linda de viver. Amo saber que no mundo existe alguém assim, do jeito que ele é. E saber que existe alguém que pensa e vive assim como ele já fez minha vida valer a pena. Hugo, onde o que sou hoje nasceu!"

View this post on Instagram

365 dias depois e eu só consegui escrever que te amo e te sou ainda mais do que quando escrevi isso no ano passado. Hugo, Tão difícil escrever e falar sobre ele sem cair no clichê... Ou então sem nos expormos desnecessariamente. Hugo, Livre, artista, destemido, socialista, apaixonado, amigo, doce, sincero! Hugo baiano, brasileiro e o branco mais preto que já conheci. (Desculpa, Vinicius) Hugo família, Hugo do mundo! Da liberdade. Hugo, q abandonou a engenharia civil e descobriu na arte o seu lugar. Descobriu que só com a arte podemos mudar o mundo. Hugo, que se apaixonou por Amir Adadd e fez dele seu mestre. Do teatro de rua, sua casa. Tantos usariam nossa visibilidade pra se promover... para atingir algum lugar... mas Hugo já achou o seu lugar. Hugo não quer se promover, ele só quer viver. Hugo trabalha por amor, dá o que tem e recebe o que consegue. Acredita na troca humana. Nos abraços, nos olhares. Hugo, que me sacudiu e disse que eu, por ter o dom de atuar, tinha uma dívida de levar e espalhar conhecimentos para as pessoas. Hugo inquieto. Escreve, desenha, toca, estuda, conta. Hugo, o sorriso mais largo, o amigo íntimo imediato, a pessoa que sempre estará lá! Mas Hugo tbm é a falta das coisas práticas, não sabe que dia é hj, não usa o telefone e nem sabe o que fazer com aqueles impostos, nem como vai resolver tudo isso, essas suas faltas. Mas Hugo é tão Hugo que não se atormenta, ele sabe andar sem os pés no chão. Me ensinou a ler, me falou de política, me fez acreditar que se não for pelos outros não vale a pena. Quis mudar minha rotina. Minha casa. Minha vida. Morar em um lugar menor. Ter cada vez menos. Não ter funcionários pra não sustentar em parte essa escravidão disfarçada. Quis fazer todos os projetos sociais, olhar as pessoas nos olhos, chamá-las pelo nome e enchê-las de amor, mesmo q a distância. Aprendeu acordeom, já tocava violão, e pôs a música lá em casa em primeiro lugar. Ele fala de amor, ele escreve sem parar. E o principal: escolheu me amar. Me ensinou que pra amar precisamos conhecer as florestas e o mar, mas também os abismos do viver. Descobriu comigo quem eu era e me fez descobri-lo também. (Continua nos comentários...)

A post shared by Deborah Secco (@dedesecco) on

Relacionamento