mulher

Recém-habilitada, mulher teve ideia genial para evitar xingamentos dos apressadinhos

recem habilitada cartaz carro 0717 1400x800
Arquivo Pessoal/Débora Corrêa

Débora Corrêa, uma moradora de Curitiba, no Paraná, encontrou um jeito de driblar um receio muito comum entra as pessoas que estão começando a dirigir: o de ser hostilizado por outros motoristas que não têm paciência com os inexperientes. Sua ideia foi tão criativa (e eficaz) que viralizou nas redes sociais.

Dirigir sozinho pela primeira vez

Após um ano habilitada, Débora havia dirigido poucas vezes na vida, e sempre com o marido ao lado. “Eu não tinha medo de dirigir, tinha receio de como as pessoas reagiriam à minha forma prudente de recém-habilitada de dirigir. Tinha plena consciência da minha capacidade, mas não tinha experiência. Por isso, fiquei com receio de levar buzinada e de me xingarem caso o motor do carro morresse ou eu demorasse para atravessar uma rua”, diz.

recem habilitada familia 0717 1400x800
Arquivo Pessoal/Débora Côrrea

Pra evitar estes transtornos, Débora estava usando Uber e ônibus. Até que um dia se revoltou contra a própria situação.

“Um dia, quando cheguei em casa e vi o carro parado, não acreditei que estava andando de ônibus naquele calor com o carro parado e à minha disposição. Foi quando decidi que iria buscar meu filho na escola no fim do dia de carro”, comenta.

Para ajudá-la a criar coragem, Débora decidiu fazer um cartaz à mão e colá-lo na traseira de seu carro. Nele, estava escrito: “Sou RECÉM-HABILITADA. Agradeço a paciência!”

“Fiz o cartaz no impulso, mas fiquei quase 2 horas olhando para ele e tomando coragem para dirigir o carro sozinha. Enviei a foto para os meus pais e para uma amiga e eles me deram muito apoio”, conta.

recem habilitada cartaz 0717 1400x800
Arquivo Pessoal/Débora Côrrea

O resultado da ideia a surpreendeu. A estudante entrou no carro e foi sozinha buscar o filho na escola, que fica a cerca de 5 km de sua casa.

“No primeiro obstáculo, uma rua com ladeira, o motor do carro morreu. O carro que estava atrás de mim passou, abaixou o vidro e fez um sinal de positivo. Ali eu senti que o meu cartaz tinha funcionado. Depois, algumas pessoas buzinaram e fizeram sinal de positivo. Duas senhoras abriram o vidro e falaram algumas palavras de apoio. Foi demais!”, comemora.

A história aconteceu em 2017 e até hoje é lembrada pelo tanto que foi compartilhada. A jovem conversou com o VIX após alguns meses do ocorrido e garantiu que já se sentia bem mais confortável dirigindo e afirmou que não usava mais o cartaz.

“Andei um pouco mais com o cartaz, hoje não mais. Mas, se sentir necessidade de usar, não vejo problema nenhum. Agora não sou tão recém-habilitada, mas ainda acho que tenho muito a aprender no trânsito”, concluiu.

Medo de dirigir