“Síndrome do Amor”: mãe prova que seu filho é igual aos outros em Instagram lindo

especial bebe down sorriso 0717 1400x800 min
diaadiadoantonio/Instagram

Antônio tem pouco mais de um aninho, mas já precisou passar por três cirurgias grandes e, infelizmente, sofreu preconceito por ter síndrome de Down. Para mostrar que seu filho é igual a qualquer criança, a mãe, Natasha Godoy, criou uma conta no Instagram para ele e, desde então, vem mostrando que Antônio tem também a “síndrome do Amor” e que é muito mais do que um simples portador de um cromossomo a mais.

Suspeita da síndrome de Down 

Antônio foi um bebê muito amado e desejado pelos pais mesmo antes de nascer. Quando sua mãe estava na 12ª semana de gestação, um exame apontou a suspeita da síndrome de Down. Como o teste de confirmação era arriscado e poderia provocar um aborto, Natasha preferiu não fazê-lo, mas passou a se preparar para a chegada de um bebê com deficiência.

bebe antonio comportamento 0717 1400x800
Arquivo Pessoal/Natasha Godoy

A mãe conta que pesquisou bastante e até entrou em contato com instituições e mães de filhos com a síndrome para se preparar adequadamente. Este foi o primeiro passo para Natasha desmistificar a condição e entender que o medo de ter um filho com síndrome de Down nada mais era do que desconhecimento.

“Claro que a gente deseja que nosso filho nasça saudável e sem nenhuma síndrome, mas quando o Antônio nasceu e foi confirmado que ele tinha síndrome de Down, nós sorrimos”, relembra ao falar que o conhecimento foi o que fez com que ela nunca lamentasse a condição do primogênito.

Vítima de preconceito

Infelizmente, não são todas as pessoas que têm o mesmo esclarecimento, e ainda há quem enxergue a deficiência acima do ser humano. E foi justamente um episódio de preconceito contra Antônio que  motivou sua mãe a criar uma página na internet para mostrar para as pessoas que seu filho não é diferente de nenhuma criança.

O episódio aconteceu quando Natasha estava com o filho no cabeleireiro e foi abordada por uma mulher curiosa. Primeiro, ela perguntou se a criança já ia para escola, e Natasha respondeu que não. Em seguida, a moça perguntou se Natasha o colocaria em uma escola especial e, novamente, a resposta foi negativa, já que ela queria que o filho estudasse em uma escola convencional.

familia sindrome de down 0717 1400x1400
Arquivo Pessoal/Natasha Godoy

A mulher, então, lhe disse que aquilo era absurdo e que não admitiria seu filho estudando com uma criança com deficiência ou síndrome. “Só consegui dizer que eu lamentava muito a mãe que o filho dela tinha”, relembra Natasha.

Arrasada com tamanha intolerância, ela decidiu, no dia seguinte, que usaria o Instagram para mostrar para o mundo que seu filho é normal, sim, e pode fazer o que ele quiser.

“Claro que ele tem as dificuldades dele, mas a ideia é mostrar para as pessoas que não elas precisam ter pena, que ele não tem nada demais e que é capaz de tudo, basta ele querer. As pessoas duvidam que ele pode ficar em pé, então eu mostro e funciona”, comenta.

Dia a dia com Antônio

Assim nasceu a página Dia a dia do Antônio, que não só ajudou e ajuda a esclarecer a síndrome como também encantou muitas pessoas que foram conquistadas pela carisma do menino.

Como o nome já diz, a ideia de Natasha é mostrar a rotina do filho, compartilhar sua evolução e provar que em sua família não falta amor. “O dia a dia é normal, talvez seja apenas mais trabalhoso por causa das terapias”, comenta.

Atualmente, Antônio faz terapia ocupacional, shantala, fisioterapia, natação, fonoaudiologia e musicoterapia para ajudar no seu desenvolvimento. Além disso, ele também tem o acompanhamento de vários médicos, já que alguns problemas de saúde podem surgir por causa da síndrome que tem.

Por isso, Natasha decidiu deixar o trabalho que tinha em um escritório de advocacia para se dedicar exclusivamente ao bebê e pretende continuar desta forma durante os primeiros anos de vida dele. 

Redes sociais contra o preconceito

Apesar de ter criado o Instagram há poucos meses, Natasha sente que o olhar das pessoas já é diferente agora. “Antes, as pessoas não sabiam como falar dele, perguntar sobre o desenvolvimento; agora, já comentam coisas que ele faz, perguntam o que o ajudou."

Além disso, ela conta que recebe mensagens de muitas mães que descobriram que o filho tem a síndrome, começaram a ver como o Antônio está se desenvolvendo por meio do Instagram e a agradecem por compartilhar, já que isto as ajudou a conhecer melhor e desmistificar a síndrome de Down.

Síndrome de Down: histórias inspiradoras