explore

Filhote de leão-das-cavernas de quase 28 mil anos é encontrada intacta no Ártico

cachorros leones
KenCanning/ Getty Images

Chamada de Esparta pelos pesquisadores, uma filhote de leão-das-cavernas foi recentemente encontrada congelada no Ártico Siberiano praticamente intacta, apesar de ter morrido há cerca de 28 mil anos.

Mumificados, os dentes, pele, órgãos e tecidos moles do animal estavam em perfeito estado, assim como seu pelo dourado.

Além de Esparta, um macho de simba siberiano, apelidado de Boris, também foi achado nas margens do rio Semyuelyakh, no Extremo Oriente da Rússia.

Filhote de leão de quase 28 mil anos

Inicialmente, os cientistas acreditavam que os pequenos leões eram irmãos, já que haviam sido encontrados a poucos metros de distância um do outro.

Um novo estudo, no entanto, mostrou que eles tinham aproximadamente 15 mil anos de diferença. Esparta tem 27.962 anos, segundo datação por radiocarbono, enquanto Boris tem 43.448 anos.

Love Dalen, autor de um novo estudo sobre os filhotes, afirmou à rede CNN que ambos os filhotes tinham apenas 1 ou 2 meses de idade quando morreram. A causa da morte ainda não é clara, mas a possibilidade de um ataque de predador foi descartada, uma vez que os animais estão bem preservados.

"Dada a sua preservação, eles devem ter sido enterrados muito rapidamente. Então, talvez eles morreram em um deslizamento de terra ou caíram em uma rachadura", disse Dalen.

filhote de leao 0821 1400x800
Quaternary/Divulgação

Publicado na revista científica Quaternary, o estudo mostrou ainda que a pelagem dos leões-das-cavernas era semelhante à de um filhote de leão africano. Os filhotes da Era do Gelo, de acordo com os pesquisadores, tinham um subpelo longo e grosso que pode ter ajudado na adaptação ao clima frio.

Descobertas arqueológicas