explore

Leite materno de mulheres vacinadas tem anticorpo contra Covid-19, aponta estudo

vacinacao mulher 04 21 1400 800
iStock

Um estudo israelense, publicado na última segunda-feira (12), na revista científica americana "The Journal of the American Medical Association (JAMA)", apontou que o leite materno de mulheres que foram vacinadas apresentou anticorpos contra a Covid-19.

A pesquisa avaliou amostras de leite materno de mulheres lactantes que receberam a vacina Pfizer-BioNTech e sugeriu um potencial protetor para as crianças que o ingeriram. Entenda.

Leite materno de mulheres vacinas tem anticorpos

O estudo, realizado entre 23 de dezembro de 2020 e 15 de janeiro de 2021, contou com a participação de 84 mulheres israelenses com média de idade de 34 anos.

leite materno bombinha 0519 1400x800
evso/Shutterstock

Todas as participantes receberam as duas doses da vacina produzida pela Pfizer-BioNTech, sendo que o intervalo entre elas foi de 21 dias e as amostras de leite foram colhidas antes e depois da aplicação do imunizante.

Após a vacinação, as coletas das amostras foram feitas por seis semanas seguidas, a partir da semana 2 após a primeira dose. O estudo fez a análise de dois anticorpos: o IgA e o IgG, proteínas do sistema imune que são uma das frentes de defesa do corpo contra doenças.

leite materno 04 21 1400 800
iStock

Aumento de anticorpos após vacinação

Após várias análises, foi constatado que o nível médio de anticorpos anti–SARS-CoV-2, do tipo IgA, no leite materno, cresceu rapidamente e estava significativamente elevado duas semanas após a primeira dose da vacina, quando 61,8% das amostras mostraram sua presença. Após a segunda dose, esse percentual aumentou, atingindo 86,1%.

O nível médio de anticorpos permaneceu elevado no decorrer das análises e na sexta semana, 65,7% das amostras estavam positivas para estes anticorpos.

leite materno congelado 1218 1400x800
Anukul/Shutterstock

Já os anticorpos do tipo IgG permaneceram baixos nas 3 primeiras semanas, apresentando um aumento na semana 4, quando 91,7% das amostras contavam com sua presença, e subindo para 97% nas semanas 5 e 6.

Estudo sugere que leite pode proteger bebês

Vale ressaltar que nenhum efeito adverso sério foi registrado durante o estudo e, segundo os pesquisadores, os anticorpos encontrados mostraram fortes efeitos neutralizadores, o que sugere potencial protetor para as crianças que o receberam.

bebe amamentacao mae seio 1019 1400x800
Dmytro Vietrov/Shutterstock

No entanto, os especialistas apontam que o estudo tem limitações, já que nenhum “ensaio funcional” foi realizado. Vale lembrar ainda que não foi analisado o grau de proteção que esses bebês têm contra a Covid-19.

Vacinação contra a Covid-19