explore

Cientistas descobrem tubarões que brilham no escuro: imagens

tubarao brilha escuro 0321 1400x800
Frontiers in Marine Science

Ele vive nas profundezas do mar, pode chegar a dois metros de comprimento e brilha no escuro: o tubarão kitefin (Dalatias licha) foi recentemente fotografado pela primeira vez na história por pesquisadores da Bélgica.

Considerado o maior vertebrado bioluminescente conhecido do mundo, este tubarão produz sua própria luz e é capaz de brilhar no escuro.

vaga lumes campo 0220 1400x800 2
Fer Gregory/Shutterstock

Na natureza, bioluminescência se refere à produção de luz por organismos vivos através de uma reação bioquímica que envolve duas substâncias, luciferase e luciferina, em mecanismo semelhante ao que ocorre com os vaga-lumes.

Tubarão que brilha no escuro é fotografado pela primeira vez

As imagens do tubarão bioluminescente foram capturadas em uma área oceânica da Ilha Sul da Nova Zelândia e divulgadas por pesquisadores da Universidade Católica de Louvain, na Bélgica, e do Instituto Nacional de Pesquisas sobre Água e Atmosfera, na Nova Zelândia.

tubarao brilha pesquisa 0321 1400x800
Frontiers in Marine Science

A bioluminescência também foi encontrada em duas outras espécies de tubarão: o Etmopterus lucifer (tubarão-lanterna-barriga-preta) e o Etmopterus granulosus (tubarão-lanterna-do-sul).

De acordo com a pesquisa, apresentadas pela publicação Frontiers in Marine Science em 26 de fevereiro de 2021, a bioluminescência tem sido vista como um evento espetacular e incomum no mar.

tubarao brilha estudo 0321 1400x800
Frontiers in Marine Science

No entanto, “considerando a vastidão do mar profundo e a ocorrência de organismos luminosos nesta área, é agora cada vez mais óbvio que a produção de luz em profundidade possui um papel importante na estruturação do maior ecossistema do nosso planeta", diz o trabalho científico.

Os cientistas acreditam que os tubarões bioluminescentes produzem e usam o próprio brilho para atrair as presas.

Curiosidades sobre os animais