explore

Anvisa alerta para primeiro caso de "superfungo" resistente no Brasil

candida auris 12 20 1400 800
Shutterstock

Na última segunda-feira (7), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) emitiu um alerta sobre a chegada de um fungo resistente ao Brasil, a Candida auris.

De acordo com a Anvisa, "trata-se de um fungo emergente que representa uma grave ameaça à saúde global" e a suspeita do primeiro caso no Brasil é em um homem hospitalizado com Covid-19 na Bahia.

Candida auris no Brasil

A Candida auris foi descoberta pela primeira vez em 2009, no Japão, e , desde então, já se alastrou por mais de 30 países.

A maior preocupação dos órgãos mundiais de saúde é o fato de o fungo ser "multirresistente" a medicamentos e fatal em cerca de 39% dos casos. Por isso, ele está sendo chamado de "superfungo".

candida auris infeccao 12 20 1400 800
Shutterstock

"Algumas cepas de C. auris são resistentes a todas as três principais classes de fármacos antifúngicos (polienos, azóis e equinocandinas)", informou a Anvisa.

Em outubro de 2016, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicaram um alerta epidemiológico em função dos relatos de surtos de Candida auris em serviços de saúde da América Latina.

Segundo a Anvisa, o primeiro surto de Candida auris detectado nas américas foi na Venezuela e ocorreu entre março de 2012 e julho de 2013, na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital em Maracaibo. Na época, o surto afetou 18 pacientes, dos quais 13 eram pediátricos.

medico candida auris 12 20 1400 800
Shutterstock

Até então, não havia relatos ou suspeitas de casos no Brasil, mas na última segunda-feira (7), a Anvisa recebeu uma notificação sobre um suposto paciente infectado pelo fungo na Bahia.

Primeiro caso no Brasil

A primeira pessoa que possivelmente foi infectada, é um homem que está hospitalizado com Covid-19 na Bahia, tornando-se o provável primeiro caso de Candida auris no Brasil.

Em 2019, o médico infectologista Alessandro Comarú Pasqualotto, professor da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) escreveu um texto científico junto com a médica Teresa Cristina Sukiennik, da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, e com Jacques F. Meis, pesquisador na Holanda que vem se dedicando ao estudo do novo fungo.

candida auris 12 20 1400 600
Shutterstock

Segundo o médico, o fungo pode causar até infecções no sangue: "Similarmente a outras espécies de Candida, o espectro clínico associado a C. auris varia de colonização a doenças invasivas, como infecções da corrente sanguínea".

Conforme informou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a identificação do fungo requer métodos laboratoriais específicos, já que ele pode ser confundido com outras espécies de leveduras.

Ainda de acordo com a Agência, a Candida auris foi identificada após análise pela técnica de MALDI-TOF pelo Laboratório Central de Saúde Pública Prof. Gonçalo Moniz (Lacen/BA) e pelo Laboratório do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP).

cientista microscopio laboratorio 0617 1400x800
science photo/shutterstock

A Anvisa também informou que já estão sendo realizadas análises para acompanhar o caso e prevenir disseminação:

"Para acompanhar o caso e para prevenir a disseminação de C. auris no país, foi organizada uma força-tarefa nacional composta por representantes da Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde – Suvisa Bahia, da Coordenação Estadual de Controle de Infecção Hospitalar (CECIH Bahia), do Centro de Informações Estratégicas e Resposta de Vigilância em Saúde – Cievs (Nacional, Bahia e Salvador), da Secretaria de Estado de Saúde da Bahia, da Secretaria Municipal de Saúde de Salvador e da Diretoria de Vigilância Epidemiológica, além de representantes do Ministério da Saúde (CGLAB/SVS, Cievs nacional), do Lacen-BA, de laboratórios da rede nacional para identificação de C. auris e da Gerência de Vigilância e Monitoramento em Serviços de Saúde (GVIMS/GGTES) da Anvisa", informou o órgão.

Mais sobre fungos