explore

Nasa estuda evolução em anomalia magnética da Terra

anomalia atlantico sul 1 1400x800 0820
Nasa/Divulgação

Sobre a América do Sul e o sul do Oceano Atlântico, o campo magnético que fica ao redor da Terra tem um ponto especialmente fraco, nomeado de Anomalia do Atlântico do Sul.

A Nasa, agência espacial americana, monitora essa anomalia e percebeu que tem ocorrido uma evolução nessa região. O problema disso? O fato do campo magnético ser mais fraco pode causar grandes problemas para satélites e espaçonaves.

Os problemas da Anomalia do Atlântico do Sul

anomalia atlantico sul 2 1400x800 0820
NASA Goddard/Bailee DesRocher

O campo magnético que envolve a Terra é responsável por guiar bússolas e gera influência na migração de animais, mas, principalmente, ele protege a Terra ao repelir partículas energéticas que vêm do Sol.

A existência da Anomalia do Atlântico do Sul faz com que algumas dessas partículas solares se aproximem mais que o normal da superfície terrestre, podendo derrubar computadores de bordo e atrapalhar a coleta de dados de satélites.

Um satélite, por exemplo, pode entrar em curto-circuito caso seja atingido e sofrer danos permanentes.

anomalia atlantico sul 3 1400x800 0820
NASA Goddard/Tom Bridgman

E apesar dessa anomalia não causar impactos diretos na vida na Terra, o fato dela estar crescendo e se expandindo para o oeste pode causar mais dificuldades para missões de satélites.

Além disso, a região mais fraca também começou a se dividir em dois lobos.

É por isso que um grupo de cientistas da Nasa tem monitorado a Anomalia do Atlântico do Sul, para prever mudanças futuras e ajudar o mundo a se preparar para os desafios que podem surgir em relação a satélites e humanos nos espaço.

tess satelite nasa 1400x972 0919
Divulgação/NASA

Planeta Terra e o espaço