explore

Vídeo compartilhado pela USP mostra como isolamento pode conter coronavírus

coronavirus covid 19 0320 1400x800 01
angellodeco/shutterstock

Depois que a Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou a pandemia do COVID-19, doença causada pelo coronavírus, em vários países do mundo, os governos estão tomando medidas na tentativa de diminuir a disseminação do vírus.

A principal orientação é que a população permaneça e um vídeo compartilhado pela USP e adaptado do jornal norte-americano "The Washington Post" pelo canal de ciência "Nunca vi um cientista" mostra como essa medida evita que o coronavírus se espalhe tão rapidamente.

Vídeo mostra como isolamento freia coronavírus

Algumas pessoas estão ignorando a orientação do governo de permanecer em casa, se possível, mas um vídeo compartilhado pela USP mostra como evitar aglomerações desacelera a propagação do coronavírus:

As bolinhas laranjas representam as pessoas doentes e as cinzas, pessoas saudáveis e recuperadas. Elas mostram como o contágio se acelera quando há aglomerações.

O lado esquerdo do vídeo retrata o exemplo de quando as pessoas continuam circulando intensamente. O resultado é o aumento da disseminação do vírus muito rapidamente, gerando um pico muito grande de pessoas contaminadas. No lado direito, em contrapartida, a velocidade de contágio é menor, assim como as quantidades de pessoas infectadas.

O problema de muitas pessoas doentes ao mesmo tempo, como ocorreu na Itália, é que dificulta o tratamento nos hospitais, que podem ficar superlotados e, assim, faltar leitos para quem necessita.

mascara coronavirus prevencao 0220 1400x800
DimaBerlin/Shutterstock

Por outro lado, se a circulação e aglomeração de pessoas diminuírem, embora isso não barre o vírus, sua disseminação fica muito mais lenta e a chance de as pessoas ficarem contaminadas ao mesmo tempo, também diminui. Esse efeito é chamado de "achatamento da curva".

Em ambas as situações, há um gráfico que acompanha o número de infectados. Na primeira situação, a curva cresce abruptamente, formando um pico. Já na segunda, a quantidade de pessoas contaminadas segue um crescimento lento, porém por mais tempo, deixando a curva achatada.

Coronavírus: como conter doença