explore

Universo não é infinito? Nasa encontrou muro no Sistema Solar e essa é a explicação

exoplaneta con dos estrellas
NASA/JPL-Caltech

Graças à tecnologia, a humanidade descobre pouco a pouco mais sobre o espaço, agora sabemos como é uma colisão de galáxias e quais são os planetoides que orbitam perto de nós.

Recentemente, uma parede foi descoberta em nosso Sistema Solar que nos impede de ver além. Isso significa que poderemos finalmente ver seu fim?

Muro em nossa galáxia

Este muro foi descoberto pela Nasa e eles explicaram que a parede foi alcançada pelas naves espaciais Voyager 1 e 2, que levaram 35 e 41 anos, respectivamente, para chegar ao local. Esta seria uma "fronteira" do nosso sistema com o resto da galáxia.

Composta por moléculas de hidrogênio, é conhecida como heliosfera, que se forma quando átomos de hidrogênio sem carga colidem com átomos carregados pelo vento solar, formando hélio oval. Isso é algo que os astrofísicos já conheciam em teoria, mas nunca haviam observado até agora.

heliosfera
NASA

A Nasa explica que isso é relevante porque as naves Voyager 1 e 2 são as primeiras a chegar e atravessar a parede. Uma delas tem um espectrômetro de radiação ultravioleta e permite tirar algumas imagens da parede.

Segundo os cientistas, para confirmar a teoria, as naves devem atravessar a parede para continuar capturando as imagens. Desta forma, eles serão capazes de descobrir o alcance da influência solar.

sol marte calor 0317 1400x800 0
solarseven/istock

Se o espectrômetro detecta uma redução nas partículas visíveis, isso significa que a influência do Sol termina, mas se continuar, pode significar que há uma influência maior do que foi considerado no começo... ou algo está expelindo tanta energia que afeta nosso sistema solar.

Isso também nos permitirá descobrir o início de novas galáxias, como a Alpha Centaury, que está a 75 mil anos de distância na velocidade atual da Voyager.

View this post on Instagram

#HubbleFriday Located in the constellation of Hercules, about 230 million light-years away, NGC 6052 is a pair of colliding galaxies. They were first discovered in 1784 by William Herschel and were originally classified as a single irregular galaxy because of their odd shape. However, we now know that NGC 6052 actually consists of two galaxies that are in the process of colliding. This particular image of NGC 6052 was taken using the Wide Field Camera 3 on Hubble. A long time ago gravity drew the two galaxies together into the chaotic state we now observe. Stars from within both of the original galaxies now follow new trajectories caused by the new gravitational effects. However, actual collisions between stars themselves are very rare as stars are very small relative to the distances between them (most of a galaxy is empty space). Eventually the galaxies will fully merge to form a single, stable galaxy. Our own galaxy, the Milky Way, will undergo a similar collision in the future with our nearest galactic neighbor, the Andromeda galaxy. However, this is not expected to happen for around 4 billion years. For more information, follow the link in our bio. Text credit: ESA (European Space Agency) Image credit: ESA/Hubble & NASA, A. Adamo et al. #NASA #Hubble #space #science #astronomy #universe #telescope #cosmos #hercules #galaxies #colliding #gravity #Friday

A post shared by Hubble Space Telescope (@nasahubble) on

Curiosidades sobre o universo

Matéria traduzida do original de VIX espanhol, do autor Esteban Luján.