explore

Existe um período do ano em que você fica mais "inteligente", descobre estudo

ansiedade no cerebro 0517 1400x800
mmatee/Shutterstock

Pode ser considerado normal se sentir mais ou menos disposto em determinados períodos do ano, de acordo com o clima e as estações. Mas sabia que o cérebro também é capaz de perceber os impactos sazonais? Segundo descobriu um estudo, ele é capaz de funcionar melhor e chega a apresentar picos cognitivos em determinados meses.

Cérebro funciona melhor entre verão e outono

De acordo com um estudo feito pela Universidade de Toronto, no Canadá, as habilidades cognitivas de adultos melhoram durante o final do verão e início do outono. E mais: nos meses de primavera e inverno, o declínio da função cognitiva é equivalente ao envelhecimento do cérebro em 4,8 anos.

cabelo calor verao 1016 1400x800
wundervisuals/istock

A pesquisa examinou dados de 3.353 pessoas com idade média de 77 anos que passaram por testes de pensamento e concentração e tiveram medidas no líquido espinhal as proteínas relacionadas à doença de Alzheimer. Fatores como humor, sono, atividade física e saúde da tireoide também foram registrados e contabilizados.

Foi possível descobrir, com o exame de amostras de líquido cefalorraquidiano, ritmos sazonais em proteínas do cérebro, resultando em uma expressão aumentada de genes relacionados à demência durante primavera e inverno.

cerebro mente cabeca 0318 1400x800
Naeblys / Shutterstock

O fator exato que impulsiona essas mudanças, no entanto, não pôde ser identificado pelos cientistas. Fatores ambientais, como luz e temperatura, podem desempenhar um papel significativo no processo, especialmente porque tempo mais quente normalmente incentiva mais interações sociais.

Os responsáveis pelo trabalho científico, publicado pelo periódico PLOS Medicine, acreditam que as descobertas podem ajudar no tratamento de pessoas com maior probabilidade de sofrer de depressão e outros transtornos, indicando uso de fototerapia e modificação de temperatura como parte de terapias.

Curiosidades científicas sobre o cérebro