Cientistas conseguem remover Alzheimer do cérebro de ratos antes do início dos sinais

cerebro cranio alzheimer 0817 1400x800
Anatomy Insider/shutterstock

Formadas por uma proteína chamada amiloide-beta, placas formadas no cérebro são responsáveis por matar neurônios e levar ao Alzheimer. A remoção dessas placas, portanto, poderia barrar os sintomas e o desenvolvimento da doença.

Barrar o Alzheimer: técnica pode ser esperança

Um estudo recente realizado pela Escola de Medicina da Universidade Washington, em St. Louis, Estados Unidos, pode ter descoberto uma maneira de eliminar as placas sem exatamente ter a amiloide-beta como foco, mas sim a APOE, uma outra proteína associada ao Alzheimer.

memoria cerebro alzheimer 0817 1400x800
RATOCA/shutterstock

Em um experimento feito com ratos de laboratório, os pesquisadores usaram anticorpos criados para reconhecer e se unir à APOE e, assim, acabar com as placas de amiloide-beta.

Durante seis semanas, os camundongos receberam injeções dos anticorpos, que mostraram ser capazes de reduzir pela metade a presença das placas de amiloide-beta no cérebro.

Os cientistas agora planejam novos testes para verificar a possibilidade do uso dos anticorpos em humanos, assim como sua eficácia na remoção das placas de amiloide-beta do cérebro.

Como prevenir Alzheimer