explore

2018 poderá ser o ano em que finalmente veremos um buraco negro por completo

buraco negro espaco 0217 1400x800
Jurik Peter/shutterstock

Buracos negros são uma área no espaço de onde nada é capaz de escapar quando entra, nem mesmo pequenas partículas que se movimentam na velocidade da luz. Eles se formam quando uma estrela, sem combustível, tem seu núcleo reduzido a uma fração de seu real tamanho.

Apesar de populares, os buracos negros ainda são fonte de grandes dúvidas e mistérios para a comunidade científica. A partir deste ano, porém, as coisas podem começar a mudar. Isso porque, ainda este ano, será possível pela primeira vez "olhar" diretamente e fotografar a silhueta de um buraco negro de nossa galáxia.

Poderemos fotografar um buraco negro pela primeira vez

buraco negro espaco 1216 1400x800
gmutlu/istock

Imagem mostrará "silhueta" do buraco negro

Os buracos negros têm os chamados horizontes de eventos, ou seja, bordas que delimitam seu interior misterioso. E os astrônomos agora acreditam que podem fotografar esses horizontes este ano ainda.

Para fotografar o horizonte do evento, um método tão novo quanto difícil será usado: interferômetros em comprimentos de onda milimétricos. Interferômetro é um aparelho utilizado para efetuar medidas de ângulos e distâncias aproveitando a interferência de ondas eletromagnéticas, que ocorre quando estas interagem entre si.

estrela buraco negro 0317 1400x800 0
Divulgação/ESO

Como a fotografia será feita?

Em entrevista ao site news.com.au, Michael Brown, professor de astrofísica da Universidade Monash, na Austrália, afirmou que, durante décadas, a interferometria de rádio foi feita em comprimentos de onda em centímetros. No entanto, se fizermos as mesmas observações em comprimentos de onda milimétricos, poderemos produzir imagens com melhor resolução e ver a silhueta do buraco negro.

Para isso, segundo o pesquisador, basta colocar todos os telescópios, distribuídos em todo o mundo, apontando para um buraco negro. Então será possível obter os dados necessários para criar uma fotografia do horizonte do evento, a primeira na história. E o melhor candidato para fazer isso é o buraco negro supermassivo que está no centro da Via Láctea.

Curiosidades sobre o Universo