Como a bola de futebol mudou com os anos e influenciou cada Copa do Mundo?

bola de futebol evolucao 1400x800 0817
Miguel Tovar/Richard Heathcote/gettyimages

Além do futebol jogado, o que mudou muito entre os anos que o Brasil ganhou os cinco títulos da Copa do Mundo de futebol foram as bolas usadas. A cada ano, a empresa responsável produz melhorias tecnológicas para aperfeiçoar as bolas e, aproveitando o apelo comercial, batiza cada uma delas com nomes que se tornam ícones.

Abaixo, listamos as cinco bolas usadas durante as Copas em que o Brasil saiu campeão e mais duas que ficaram bem famosas - a Jabulani e a Brazuca. De 1958 até 2014, desde o material usado para revestimento até o peso, design e cores mudaram e se aperfeiçoaram.

Bola da Copa do Mundo de 1958

bola copa 1958 0717 1400x800
Miguel Tovar/Getty Images

A primeira Copa do Mundo disputada ocorreu em 1930, mas foi somente na Copa da Suécia, em 1958, que a Fifa decidiu eleger a bola oficial por meio de uma competição. Entre as mais de cem candidatas, a eleita foi a Top Star, feita pela companhia sueca Sydsvenska Laderoch Remfabriken.

A inovação tecnológica dela era o material de revestimento: couro tratado com cera impermeabilizante já que a água era um problema para as bolas da época, elas encharcavam e ficavam bem mais pesadas. 

Uma curiosidade é que a Top Star tinha três modelos de cores. Em partidas com chuva ou campo molhado, como na final, a branca era usada; nas condições normais entravam em campo era a amarela ou marrom.

Bola da Copa do Mundo de 1962

bola copa 1962 0717 1400x800
Mario Tama/Getty Images

Na edição seguinte do torneio, disputada no Chile, a bola recebeu o nome de "The Crack", que em inglês significa algo como "fragmentada". Isso porque ela era composta por 18 polígonos costurados e irregulares - cada um era de um tamanho. Popularmente chamados de "gomos", essas partes da costura que revestem as bolas também recebem o nome de "painéis".

Tecnicamente, a grande inovação da Crack foi o pino de ar para encher a bola, a válvula de inflação. Ao produzirem, pela primeira vez, esse importante acessório com látex, conseguiram fazer com que o ar ficasse mais tempo retido dentro da bola - sim, bola murchar na partida era um problema até 1962. 

Bola da Copa do Mundo de 1970

bola copa 1970 0717 1400x800
Miguel Tovar/Getty Images

A icônica Telstar Durlast ficou tão famosa que até hoje esse modelo de 32 "gomos" pentagonais e hexagonais é sinônimo visual de bola de futebol. Foi a primeira produzida pela Adidas, que desde essa edição no México até hoje é responsável pelas bolas dos mundiais.

De acordo com o site World Cup Balls, o nome é uma junção entre "television" e "star" - televisão e estrela, em inglês. Mas também acabou sendo uma referência ao satélite Telstar, que transmitiu o sinal da Copa para o mundo inteiro naquele ano. Isso tudo porque ela foi a primeira Copa transmitida por satélite.

Feita de couro, ela era processada e costurada à mão. O que não significa que era rudimentar, muito pelo contrário: a Telstar usou toda a tecnologia da época a seu favor.

Dentro das bolas, até hoje, há uma espécie de bexiga de borracha que infla de ar. Na Telstar, utilizou-se a última geração de borracha de látex e aprimorou-se a válvula de ar, garantindo uma forma esférica não experimentada até então. A superfície externa foi revestida de um plástico especial batizado de "Durlast". Por conta disso, nunca antes uma bola teve seu couro impermeável.

Bola da Copa do Mundo de 1994

bola copa 1994 0817 1400x800
Al Bello / Getty Images

Como a Copa de 1990, disputada na Itália, teve a média de gols mais baixa da história (2,21 gols por partida, segundo o site especializado FutDados), a Adidas concluiu que a chave para reverter isso era fazer uma bola mais leve e que respondesse mais rapidamente ao chute.

Foi com foco em temas de inovação e busca de perfeição que nasceu a Questra, uma antiga palavra que significa "em busca das estrelas, segundo o Soccer Ball World, site focado na história das bolas de futebol.

Seguindo uma tendência estética de homenagear o país sede, a bola comemorou os 25 anos da chegada do homem (norte-americano) à lua com decoração de planetas, estrelas e constelações. Deve ter sido por isso que Roberto Baggio chutou aquele pênalti para o céu!

Fabricada a partir de cinco materiais diferentes, a camada externa da bola era mais flexível e durável, feita de poliuretano. Mais leve, a Questra elevou o número de gols na edição e privilegiou os artilheiros, vide a quantidade de gols que Romário fez na Copa. Com 141 gols no total, a Copa USA 94 balançou as redes 26 vezes a mais do que na edição anterior. 

Bola da Copa do Mundo de 2002

bola copa 2002 0817 1400x800
Gary M. Prior / Getty Images

Somente na Copa disputada na Coreia e no Japão a pintura preta de triângulos curvos, estruturado desde 1978, foi mexido. Mas o maior impacto foi mesmo estrutural. A Fevernova era feita com materiais internos como espuma sintética e "balões ocos". 

Essas estruturas internas eram pequenos compostos de ar inseridos para diminuir o peso. Ela tinha três milímetros de espessura e muitas camadas tecnológicas que, fisicamente, convertiam a força do chute em aceleração da bola com quase nenhuma perda dessa força e mantendo a Fevernova esférica durante o voo.

Ao contrário do que se possa imaginar hoje, o efeito na época foi uma enxurrada de críticas, principalmente dos goleiros. Eles diziam que ela teria ficado leve demais, o que deixou seu movimento imprevisível.

Jabulani

bola copa 2010 0717 1400x800
Richard Heathcote / Getty Images

A grande polêmica do mundial de 2010 na África do Sul foi a Jabulani, uma das bolas mais odiadas de todos os tempos. De acordo com o World Cup Balls, ela foi apresentada como uma "joia tecnológica".

Desenvolvida pelo time de inovação da Adidas, a bola apresentava oito painéis em sua superfície que deram a ela uma forma esférica tão lisa e perfeita como nunca antes havia sido alcançada.

Diferente das bolas que antes eram costuradas, esses "gomos" da Jabulani eram soldados tecnologicamente para aperfeiçoar a aerodinâmica. Isso afetou tanto o movimento da bola que a tornou imprevisível tanto para quem chutava quanto para quem defendia.

Por isso os jogadores a consideraram um desastre vergonhoso e ela foi tão criticada.

Brazuca

bola copa 2014 0717 1400x800
Cameron Spencer / getty images

A novidade da Copa de 2014 no Brasil foi o número recorde de painéis da bola - apenas seis. A questão da aerodinâmica criticada na antecessora foi resolvida, e as cores também chamaram muita atenção por apresentarem uma paleta inédita para as bolas.

Aliás, os designers se inspiraram nas famosas fitinhas do Senhor do Bonfim para chegarem a essa coloração da bola. O nome foi eleito por mais de um milhão de votos na internet e ganhou a disputa entre as opões "Bossa Nova" e "Carnavalesca".

Mais sobre esporte